Pular para o conteúdo principal

Diário dos mortos


Em Apucarana os Diários Oficiais do município foram enterrados com os defuntos. Os funcionários da funerária admitiram que a prática era comum. O jornal era usado para acomodar os cadáveres no caixão. Os mortos levaram consigo as informações que eram para os vivos. Se enterrou as irregularidades, possivelmente porque os mortos não denunciam. Se teme a consciência dos vivos.
O prefeito anterior, acusado de ser o responsável pela prática, não quer falar. Possivelmente, depois da descoberta de seu ato fúnebre preferia estar morto. Ele gostaria de ver o assunto enterrado com os Diários.
O ato é torpe, no mínimo insano, mas pode não ser incomum. Se livrar de provas é para muitos a forma de ver encoberto o lado podre da gestão pública. A maneira como a prática se apresenta denuncia o grau de irregularidade cometida. Impressiona ter como fato que o responsável pelo enterro dos Diários Oficiais tenha sido escolhido pelo voto. Uma distância imensa entre o que se apresenta como candidato e as práticas no exercício do poder.
Se o fato de enterrar Diários Oficiais estivesse em uma obra de ficção, na novela "O Bem Amado", de Dias Gomes, a cena me faria rir. Na vida real coloca a cidadania no centro do picadeiro. Se há gargalhadas para alguns me sinto mergulhado em tristeza como cidadão. O "enterro" dos Diários Oficiais" é o sepultamento da ética e a condenação da vida pública ao prazer de uma tirania alucinada. Porém, por mais que ir além do limite pode alguma ter lógica, a prática utilizada pelo ex-prefeito de Apucarana beira a insanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…