Pular para o conteúdo principal

Rituais de valores tolos

As mortes em acidentes na região Noroeste do Paraná, até este momento do Carnaval (11 de fevereiro de 2013), foi de seis, segundo dados da CBN e Gazeta Maringá. Os números já superam os do ano passado em todo o Carnaval. Jovens são as principais vítimas. O que este fato demonstra é apenas a continuidade de uma história nas rodovias brasileiras que tem números alarmantes.
Em 2010, um levantamento do Ministério da Saúde, com dados levantados das Polícias Rodoviárias Federal e Estaduais, além dos municípios, apontou que o registro de 40,1 mil mortos em acidentes de trânsito. Em sua maioria jovens (85%). Do total de mortos em acidentes, 25% tinham consumido bebida alcoólica pouco antes de dirigir.
Ao compararmos os números de acidentes de trânsito no Brasil, em um ano, com os Estados Unidos, temos a dimensão da violência nas estradas. Os norte-americanos registraram 40 mil mortes em acidentes rodoviários em 10 anos (2000 a 2010). Ou seja, nós temos mais mortes em um do que os Estados Unidos em uma dez.
As guerras também podem ser um parâmetro para a nossa violência no trânsito. A guerrilha colombiana, em 43 anos, aniquilou 43 mil pessoas. Se somarmos os anos da guerra do Vietnã (1957 a 1973), as mortes de combatentes por ano é menor do que o trânsito brasileiro. O que preocupa, ainda, nas estatísticas é que não se contabiliza os que vão à óbito dias depois do acidente por causa dos ferimentos.
Na violência do trânsito há dados importantes a serem considerados. A maioria dos acidentes ocorre nos finais de semana ou feriados. Os que se envolvem, na sua maioria, não tem a prática de dirigir em rodovias e são jovens. Destes, há uma relação direta com o consumo de bebidas alcoólicas.
Em todas as civilizações há os rituais de passagem. Quando os jovens buscam o reconhecimento de sua maturidade participando de atos de bravura, nos quais conseguem o respeito dos demais membros da sociedade. Que ato de bravura há em um abuso no trânsito? Nenhum. Mas há o culto ao automóvel e a bebida. Estes símbolos de independência e força são cultuados pela grande maioria da sociedade. Temos que lembrar, também, que dentro do ambiente doméstico se inicia o desejo por esta combinação perigosa que se fortalece nos postos de combustíveis. Lá, a bebida, carro e moto se encontram em um ritual de perigo.
A conclusão é simples, mas deveria ser assumida por todos, o culto ao automóvel e a bebida tem seu preço, e estamos pagando por ele.

Comentários

  1. O que mais me impressiona é o culto a bebida, essa associação da bebida com diversão... Quem disse que para se divertir precisa beber cerveja?
    Até quando as autoridades vão deixar que esses comerciais de TV induzam os jovens a beberem para se divertir???
    É igual ao que acontecia com o cigarro. Antes era bonito, graças aos comerciais, "venha para o mundo de Malboro...", hoje o comercial é proibido e existe campanha ante tabagismo.
    Com a cerveja, que é o início de todas as bebidas alcoólicas, fazem o mesmo que faziam com o cigarro, exibindo campanhas na praia, rodeados de amigos, gente bonita etc...
    Meu Deus!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…