Pular para o conteúdo principal

Rituais de valores tolos

As mortes em acidentes na região Noroeste do Paraná, até este momento do Carnaval (11 de fevereiro de 2013), foi de seis, segundo dados da CBN e Gazeta Maringá. Os números já superam os do ano passado em todo o Carnaval. Jovens são as principais vítimas. O que este fato demonstra é apenas a continuidade de uma história nas rodovias brasileiras que tem números alarmantes.
Em 2010, um levantamento do Ministério da Saúde, com dados levantados das Polícias Rodoviárias Federal e Estaduais, além dos municípios, apontou que o registro de 40,1 mil mortos em acidentes de trânsito. Em sua maioria jovens (85%). Do total de mortos em acidentes, 25% tinham consumido bebida alcoólica pouco antes de dirigir.
Ao compararmos os números de acidentes de trânsito no Brasil, em um ano, com os Estados Unidos, temos a dimensão da violência nas estradas. Os norte-americanos registraram 40 mil mortes em acidentes rodoviários em 10 anos (2000 a 2010). Ou seja, nós temos mais mortes em um do que os Estados Unidos em uma dez.
As guerras também podem ser um parâmetro para a nossa violência no trânsito. A guerrilha colombiana, em 43 anos, aniquilou 43 mil pessoas. Se somarmos os anos da guerra do Vietnã (1957 a 1973), as mortes de combatentes por ano é menor do que o trânsito brasileiro. O que preocupa, ainda, nas estatísticas é que não se contabiliza os que vão à óbito dias depois do acidente por causa dos ferimentos.
Na violência do trânsito há dados importantes a serem considerados. A maioria dos acidentes ocorre nos finais de semana ou feriados. Os que se envolvem, na sua maioria, não tem a prática de dirigir em rodovias e são jovens. Destes, há uma relação direta com o consumo de bebidas alcoólicas.
Em todas as civilizações há os rituais de passagem. Quando os jovens buscam o reconhecimento de sua maturidade participando de atos de bravura, nos quais conseguem o respeito dos demais membros da sociedade. Que ato de bravura há em um abuso no trânsito? Nenhum. Mas há o culto ao automóvel e a bebida. Estes símbolos de independência e força são cultuados pela grande maioria da sociedade. Temos que lembrar, também, que dentro do ambiente doméstico se inicia o desejo por esta combinação perigosa que se fortalece nos postos de combustíveis. Lá, a bebida, carro e moto se encontram em um ritual de perigo.
A conclusão é simples, mas deveria ser assumida por todos, o culto ao automóvel e a bebida tem seu preço, e estamos pagando por ele.

Comentários

  1. O que mais me impressiona é o culto a bebida, essa associação da bebida com diversão... Quem disse que para se divertir precisa beber cerveja?
    Até quando as autoridades vão deixar que esses comerciais de TV induzam os jovens a beberem para se divertir???
    É igual ao que acontecia com o cigarro. Antes era bonito, graças aos comerciais, "venha para o mundo de Malboro...", hoje o comercial é proibido e existe campanha ante tabagismo.
    Com a cerveja, que é o início de todas as bebidas alcoólicas, fazem o mesmo que faziam com o cigarro, exibindo campanhas na praia, rodeados de amigos, gente bonita etc...
    Meu Deus!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…