Pular para o conteúdo principal

Suicídio emocional do consumo

Consumir é um ato econômico, mas o sentido pode ser outro. Uma pesquisa do SPC Brasil (Sistema de Proteção ao Crédito) demonstra que a maioria dos consumidores brasileiros compra por impulso. 85% dos entrevistados admitiram ter perdido a razão e feito uma compra movidos pela emoção. A ansiedade e falta de autoestima é o que justifica a maior parte dos atos de aquisição pelo coração.
Mas dependendo da renda o impulso muda. Para os mais abastados, as classes A e B, comprar é uma questão de satisfazer o prazer da festa, do jantar, da viagem. Os excessos estão quase sempre ligados a um evento.A satisfação da materialidade prazerosa que pode, depois de passar a embriaguez, ser marcada por uma ressaca com forte dor de cabeça.
Para os menos abastados o motor emocional do consumo é outro, a angústia e a falta de autoestima. Ser e não gostar do que se é impulsiona os emergentes. Se sentir feio e querer se aceitar, para isso, segundo a pesquisa, as classes C e D tem como solução comprar, comprar, comprar... até o dinheiro terminar e o crédito se encerrar.
As consequências desta prática emotiva é não sobrar dinheiro para investimentos e se ter um futuro incerto. Tudo para hoje, nada para amanhã. Entre aqueles que tem melhor renda, 42% dos entrevistados, há o gasto de tudo o que ganham com compras, não há poupança. Apenas 23% da classe A e B guardam dinheiro, ou seja 1 em cada 5.
Entre os emergentes o gasto total da renda, não deixar sobrar nada, é pior. 53% dos membros das classes C e D gastam todo o rendimento do mês. E são exatamente eles que tem mais desatenção com os juros cobrados nos financiamentos. Consideram, ingenuamente, que o crédito é uma extensão dos seus rendimentos. Desta alucinação para o endividamento sem condições de cumprir os compromissos, inadimplência, é um passo.
Mas o que move a economia hoje é o sonho. A ilusão de atingir simbolicamente o sucesso através da coleção de objetos. Desfilar com a abundância aparente sustentada em dívidas. O desejo imediato fala mais alto que a busca de um futuro seguro. Me pergunto, muitas vezes, se não estamos promovendo um suicídio coletivo através do consumo excessivo que anestesia. Como se fossemos a caminho da morte anunciada, sem qualquer compromisso com o futuro. Um suicida que se agarra aos superficial sem competência de entender a vida. Um consumidor letal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…