Pular para o conteúdo principal

Francisco: uma conciliação na pobreza

Esta semana que passou o Conclave escolheu o novo Papa. Foi rápido, uma fumaça branca saiu da chaminé e invadiu o twitter, depois nas demais redes sociais, os jornais on-line e no restante da mídia na sequência. Em duas fotos comparando a escolha de Bento XVI (2005) e Francisco (2013) a multidão denunciava a digitalidade que invadiu a multidão e deu a notícia da escolha em "primeira mão".
Francisco ingressou no papado sob os holofotes da digitalidade dos flashes de celulares e câmeras. Ele falou pela primeira vez para a multidão na Praça de São Pedro, no Vaticano, na cidade de Roma, mas falava para a humanidade, ao vivo, em tempo real. Dizer que o "Papa é Pop" nunca foi tanto uma verdade como agora. E Jorge Bergoglio sabia disse. Ao pronunciar palavras humildes, ao optar pela simplicidade, ao trazer o pacato para substituir o luxo, ele revolucionou. Mas são as palavras que encantam ao fazerem a trilha sonora do gesto jesuítico da homenagem a São Francisco. Ele se coloca pelo carisma diante da incerteza. Seria popularidade ou populismo? Esta questão o tempo irá responder.
Entre o populismo e a popularidade existe uma imensa diferença e, ao mesmo tempo, uma triste aproximação. Da popularidade se tira a capacidade de prestígio do governante que sabe se dirigir a massa e esta lhe demonstra confiança. O povo acredita mais no poder que o entende os gestos. Aquele que demonstra nos atos e lhe reproduz na simbologia os seus significados do dia a dia. Andar de ônibus, pagar as próprias contas, fazer sua própria comida e dizer: "sou pobre!"
Mas na América Latina de Bergoglio a popularidade do governante arrasta consigo o populismo, o carisma do governante a serviço da manipulação da massa para o benefício dos que são apadrinhados do poder. Esta prática, argentinos, brasileiros, venezuelanos, mexicanos, equatorianos, cubanos... conhecem bem.
Neste encontro temeroso entre a popularidade e o populismo, a pobreza está sempre presente, na simbologia e no discurso. Na manipulação das condições de pobreza e na relação entre a miséria política e o poder autoritário. Os líderes latinos se dirige aos pobres e dizem ser seus protetores, mas são? Na verdade, são seus algozes, seu maior problema.
Contudo, ao ver o Papa optar pelos pobres, eu acredito em sua popularidade, acredito em seus atos simples, e confio em seu discurso de defesa e luta por quem mais precisa. Não vou acreditar que seja uma expressão de populismo. Esta prática, infelizmente, eu credito à aqueles que desejam o poder, amam serem senhores de outras vidas e fazer delas um instrumento a serviço dos seus interesses. Já a Francisco, acredito que ser responsável por muitas vidas, por muitos fiéis, lhe pesa e lhe enche de responsabilidade nos gestos que devem ter mais do que simplesmente a função de lembrar, tem o princípio de agir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…