Pular para o conteúdo principal

Mais vale morto que vivo

A morte de Hugo Chaves faz lembrar a todos que o populismo vive nas nações latino-americanas. O corpo do ditador que se quer embalsamar para a eternidade, lembra que o cadáver do populismo nunca morre. O líder será lembrado e, após transformado em um cadáver arrastado na memória, se transformará em um boneco, uma marionete, nas mãos dos ventríloquos que lhe herdam o poder. Infelizmente Chaves não irá morrer.
O presidente venezuelano era um datador. Com golpe assumiu o poder e com eleições fundadas nas oferendas populares do clientelismo típico do governo autoritário permaneceu. Ele, doente, definhou e teve como suas últimas palavras o pedido desesperado de que não queria morrer. A busca pela vida talvez seja a fraqueza do estatista que não sabe aceitar o fim. Se viver para sempre, será pelas mãos dos outros.
A esperança de que a Venezuela reencontre o caminho com a liberdade democrática não parece ser o que está por vir. A morte de Chaves não coloca fim aos seu autoritarismo. O defunto arrastado servirá de palanque para os que dele se apropriam como pedra de toque na busca do controle da massa. Se puxarmos da memória, vamos lembrar de um outro senhor do populismo que conhecemos bem, que em sua "Carta Testamento" se referiu ao povo como "massa que se encontra desamparada".
No velório do embalsamado populista de farda venezuelano, a presença de seus pares que, de certa forma, lhe reverenciam por serem, alguns, senhores do mesmo molde. 
Cristina Kirchner, Evo Morales, José Mujica e Luis Inácio Lula da Silva, acompanhado de sua obra eleitoral, Dilma Rousseff, e Rafael Correa deram seu último adeus ao "companheiro". Uma demonstração de que a América Latina está infestada deste cheiro de “defuntos vivos”, prontos a despertar de seus túmulos e retomar o poder guiado pelos seus herdeiros.
Mas as filas de populares que passam horas, as vezes dias, para olhar pela última vez o que consideram ser o seu salvador, o santo vivo, o mártir e "pai dos pobres", é uma expressão da herança história de um povo apartado do direito de se fazer representar e participar da vida pública. A ignorância fundada em migalhes distribuídas por ditadores para quem não conhece a consciência do que lhe é de direito gera esta contradição. O agradecimento pela permissão do acesso ao mínimo vira obra eterna de uma falsa "revolução" que se intitulou "bolivariana".
Nada aconteceu de revolucionário, apenas foi o poder que trocou de mão. Passou de um morto para um vivo, mas que governar será uma extensão do falecido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…