Pular para o conteúdo principal

Minhas três partes

Nada temo, sou pai. Eles estão sempre ali, na minha frente. Seja a imagem real, aquela que meus olhos miram e as mãos podem tocar, ou aquela realidade que repousa em meu coração e da sentido a minha vida única em três atos, meus filhos. Cada um em seu momento construíram os três melhores capítulos da minha existência que se eternizará em suas vidas.
O meu primeiro amor me veio ainda jovem, ainda no tempo em que fraudas se lavava e não se descartava. Quando o trabalho de digitar textos e provas ainda eram na máquina-de-datilografia. Quando lá vinha aquela moreninha linda sentar no meu colo e colocar os dedos na tecla e bagunçar um trabalho demorado que se perdia em risos. Não me incomodava, deixava, aquilo que fazia era por ela, para que evitar refazer o trabalho se o amor eterno resolveu destruí-lo para se divertir, sorria.
O meu segundo amor veio pulando. Saiu da barrida da mãe fazendo "estrelinha". Não tinha quem contivesse a rapidez da menina com jeito de moleque. Não ganhava boneca, tinha "Homem-aranha", "Batman" e "Superman". Com a primeira bicicleta não teve tempo para gastar as rodinhas, foi se equilibrando e de repente já era dona do destino. Brigo com seu silêncio, mas quando sorri e da um beijo, todas as palavras do dicionário ficam pequenas, estava dito: "te amo!".
E, por fim, quando o coração estava tomado pelas meninas, me veio o rapaz. Este cara que nasceu com olhar de que tudo podia. Porque, desde cedo, sabe dizer o que é o amor. As vezes, aqui no meu canto, no silêncio do pai que olha admirando, eu acredito que este "moleque" leu romances e aprendeu palavras doces no ventre da mãe. Se o romantismo perdurar, terei que colocar uma linha telefônica no quarto e distribuir senha no portão. Ele sabe usar as palavras.
Eles vão em frente, cada um com seu jeito, cada um no seu mundo, e eu inundado por eles. Se há um lugar em que possa me dividir em três, será no coração destas vidas. Quando me for, ainda assim estarei no pensamento reflexivo de Raquel, nos gestos de mil palavras de Gabriela e no romance eterno de Felipe. Vou viver para sempre, sou opai.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…