Pular para o conteúdo principal

Armados inconsequentes

Em uma reportagem da Agência Brasil os números do desarmamento são positivos. Segundo levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a venda de armas caiu 40,6% no país http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-04-01/venda-de-armas-de-fogo-caiu-406-apos-estatuto-do-desarmamento . Os dados demonstram, também, que apenas na região sul ocorreu um aumento na vende de armas entre 2003 a 2012. No restante do país houve queda. O desarmamento deu certo.
O porém da questão está em quem continua comprando armas no país. A maioria são homens, entre 20 e 30 anos, da Classe C e com pouca escolaridade. O perfil é emergente, de baixa qualificação. Acredito que pela falsa ideia de segurança, o que pode custar caro por não saber utilizar adequadamente o armamento. Porém, independente da faixa de idade, andar armado não é solução, nem resposta a insegurança. Uma ilusão considerar que a arma protege. A vítima mais provável do armamento é o dono.
A crítica que se faz aos norte-americanos, sempre usados na comparação quando o tema é porte de armas, também não cabe. Eles vendem as armas no varejo e com pouco pré-requisito a quem deseja possuí-la, mas vale lembrar que o número de armas ilegais e baixo. Já, as armas legais se sabem onde está. No Brasil, o montante de armamento ilegal que circula é incontável e muitos que não deveriam andam armados.
Nas residências, as armas fazem vítimas entre os familiares, muitas vezes crianças. Pais armados que desejam proteger a prole trazem para dentro de casa o instrumento do extermínio. Quantas vezes nos noticiários dos telejornais o relato de um disparo acidental de uma arma provocado por uma criança. Avançamos no combate a violência desarmando, mas ainda estamos longe de conter o acesso fácil a arma pela ilegalidade. Um descontrole perigoso onde a principal vítima é o inocente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…