Pular para o conteúdo principal

Debate sem Chão


Conversa oca tem muita. Aquelas que se fala sustentada no nada. Uma das que mais rende é a discussão de menores envolvidos em crimes e a redução da maioridade penal. Agora a discussão sobre este tema tem um novo ingrediente, aumentar o tempo de detenção dos jovens infratores. Também, transferir aqueles que completam 18 anos, e estão dentro de um regime de perda de liberdade, para um presídio.
O Paraná tem hoje 936 adolescentes cumprindo pena em 18 Centros Socioeducativos. 20% deles têm mais de 18 anos e a grande maioria tem 17. Sempre é bom lembrar que um adolescente, a partir dos 12 anos, já pode cumprir pena com reclusão. As medidas de pena são variadas de acordo com o crime que se cometeu. O tempo máximo de reclusão de um adolescente não pode ultrapassar seus 21 anos de idade. Se preso aos 12, ele pode ficar até nove anos em regime fechado.
Mas parece que a tendência do debate oco é dar aos adolescentes o mesmo tratamento dos adultos. “Quem pode votar em presidente também tem que assumir os crimes que comete”, afirma o Cid Vasquez, o secretário de Segurança do Paraná. Ele tomou espaço e escreveu um artigo em defesa da redução da maioridade penal. Tudo e nome da defesa da família, “lembrando-se das lágrimas das mães que choram pelos seus filhos”.
Mas a tão proliferada redução da maioridade e aumento da pena se sustentam em um terreno movediço. Se for considerar que adolescentes devem receber tratamento de presos (adultos) quando cometem crimes, eles poderão se libertados mais cedo, já que a maioria das penas não chega a ser cumprida em 30%. Considerando que as penitenciárias estão superlotadas, não temos lugar para cumprir o desejado tratamento aos adolescentes marginais. Caso consiga vaga em uma cela, o ambiente prisional tratará de deixar o adolescente um bandido profissional. Porque se há uma escola do crime é o cárcere. Acredito inclusive que os profissionais da educação deveria se espelhar no método prisional de formação de bandidos.
 Antes de buscarmos discutir quando alguém deve ser responsável pelos crimes que comete e for punido por eles, temos que ter uma resposta eficiente para reabilitação, para a pena. Um reforma penitenciária seria bem vinda, ela antecede qualquer discussão sobre tempo de prisão e maioridade penal. Mas como não há uma resposta para o caos das prisões, acredito que o discurso sempre vale para arregimentar simpatia, pregar mudanças, sem sair do lugar. Viva a democracia e o debate público, pena que são apenas medidas paliativas diante de um problema que não se quer resolver, principalmente quem tem maior responsabilidade, o poder público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…