Pular para o conteúdo principal

O "sonho" pode acabar

Dados divulgados agora, nos primeiros meses deste ano, demonstram que alguns setores da economia estão crescendo acima da média. Os shoppings são a demonstração mais clara, eles cresceram 11% no ano passado. A expectativa é de que o setor expanda mais 45 unidades este ano e movimente R$ 1,2 bilhões. Perfumaria e higiene pessoal também cresce, 10% em média nos últimos cinco anos. Em 2012 o crescimento foi de 15,62%. Especialista consideram que longevidade e melhora na renda foram determinantes para a expansão.
Se considerarmos também o setor de eletroeletrônicos, o crescimento teve ajuda de incentivos fiscais e não há o que reclamar. Para se ter uma ideia, 25% foi o índice de crescimento na venda de fogões em 2012. A chamada "linha branca" teve incentivo fiscal, com a redução do IPI, ampliando o leque de produtos que puxou a expansão de muitas redes de supermercados, foi o caso do Condor, cresceu 23,12% no ano passado.
Mas isto tudo pode ser um reflexo tardio de uma economia que já apresenta problemas. A inflação tem se tornado uma ameaça e já demonstra seus efeitos no recuo de 0,2% no comércio varejista no início do ano. O recuo nas compras pode se acentuar na proporção em que o processo inflacionário cresça. Ou teremos uma reação de toda a economia ou o efeito cascata começará a derrubar os números empolgantes de alguns setores, que crescem acima da média mundial.
A reação vai depender de como a política governamental pode causar efeitos eficientes no quadro econômico fragilizado pela concorrência de produtos mundiais e uma falta de ambiente propício para o crescimento. A indústria é o setor em que esta condição fica mais evidente. Falta desoneração, gastar melhor o dinheiro público com investimento em infraestrutura e gerar uma cadeia produtiva que se alimente de um ambiente duradouro, não criado artificialmente com benefícios pontuais. Os programas sociais não podem ser mantidos para efeitos de sobrevivência imediata, mas para inclusão real da massa da população que está na condição de miséria.
Sempre é bom lembrar que não existe ilhas da fantasia na economia, por mais que dure a ilusão sempre haverá um momento em que se acorda, Podemos despertar para uma ação que permite manter parte do bom momento ou iniciar um pesadelo que as novas gerações ainda não conhecem, ver o poder de ganho se deteriorar com a inflação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…