Pular para o conteúdo principal

Vícios de "dois pesos e falta de justiça"


As relações que estabelecemos, quando perpetuadas por muito tempo, geram vícios, isto é comum. Algumas se naturalizam e aparentam ser uma prática que se transforma em identidade social. A relação entre os brasileiros e o Estado é uma delas. Um ato de desconfiança mútua que quase sempre envolve punição excessiva, injustiça social e corrupção de lado a lado. Não acredito no discurso da inocência dos dois lados, muito menos que a sonegação, por exemplo, é uma culpa do sonegador. O poder público também sonega e é omisso.
Claro que, quando falo de poder público, falo de uma entidade ocupada por seres humanos que refletem a sociedade. O Estado está encharcado de seres sociais corruptos e corrompido. Não podemos considerar que os gestores públicos são alienígenas, é retroalimentado por esta relação doentia que faz da administração pública um entrave para a vida social.
Uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo demonstra que 82% dos brasileiros reconhecem que é fácil burlar a justiça. Na mesma pesquisa, um dado interessante, os com melhor renda e qualificação são os que menos temem a lei, já os que têm menor renda e qualificação há respeitam mais. Por que será?
A resposta é simples, o conhecimento da lei permite desviar seu curso, se aproveitar das brechas, e se favorecer com elas. Os que têm menos renda e escolaridade temem a polícia, os que têm mais, temem o juiz. A autoridade está relacionada a proporção que a punição pode atingir. Não é por acaso que a visita na periferia é uma demonstração de abuso do aparato de segurança. Entrar arrombando a porta com botina e colocar a arma na cabeça de quem quer que seja obedece a uma regra simples, “atira e depois pergunta”. A eficiência é maior e o prejuízo menor.
A influência é uma arma que atua sempre do lado mais forte e arrebenta do lado mais fraco. Uma prática histórica que o país produziu desde a formação do estado colonial, com o Governo Geral (1549) e a manteve com a formação do Estado Nacional (1822). A herança do totalitarismo disfarçado na política dos favores e da injustiça em nome da permanência do poder ainda é um mal enraizado. Por isso, voltamos ao início de nossa conversa, uma prática gera vícios. O tratamento tem que ser intenso e a cada vitória uma comemoração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…