Pular para o conteúdo principal

Manchas na transparência


Na próxima quinta-feira, dia 16 de maio, a Lei de Acesso faz aniversário. Implantada para permitir ao cidadão ter informações dos órgãos públicos em todas as esferas (União, estados e municípios) e poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário), ela está longe de ser aplicada plenamente. Mesmo a sua regulamentação foi feita em menos da metade dos estados brasileiros, 13 de 27, contando o Distrito Federal. Quando se fala em municípios, apenas 8% regulamentaram a lei.
Uma das principais polêmicas da Lei de Acesso está na divulgação dos salários dos funcionários públicos, ou mesmo dos representantes públicos. No Paraná, apenas o Tribunal de Contas do Estado (TCE) divulga a lista dos funcionários com as respectivas remunerações. As maiores prefeituras do Paraná divulgam o salário dos cargos e gratificações, mas não especificam. Mesmo o Supremo Tribunal Federal não faz a divulgação. Há a tramitação de processo na justiça contra a informação de salários dos servidores por parte do poder público paranaense.
O principal problema da obrigatoriedade que não se cumpre, onde o próprio poder público dá o mau exemplo quando se fala da Lei de Acesso, são os efeitos que ela pode gerar e os hábitos de uma relação tortuosa, cheia de mentiras e com muito a esconder.
A liberdade de ação do poder público sem limites ou controle é uma prática antiga, faz parte da construção do próprio mando estatal e do interesse de quem busca ter acesso a ele, seja na forma de funcionário de carreira, dos beneficiados pela indicação ou políticos eleitos para a representação. Respeitar a Lei não está entre as práticas mais comuns dos que compõem a administração do Estado.
A relação que construiu o abuso também é uma forma de entender os limites da Lei de Acesso. Estamos diante de desconfianças e traições constituídas ao longo da história e passadas de geração para geração. O poder público é tido como o repressor constante de nossas vontades e é considerado o principal responsável, e muitas vezes o é, pelos nossos problemas sociais.
Corrompemos o poder na medida em que ele se coloca diante de nossos interesses. Os que ocupam o poder se especializaram em vender favores, distribuem benefícios à aqueles que sustentam sua permanência dentro da máquina pública. A disfunção dos cargos de representação passa por um clientelismo que também é prática dos funcionários de carreira que encharcam a administração estatal. A corrupção não é uma ação exclusiva do político profissional.
A Lei de Acesso a contribuir com a transparência, e vai. Ela está no começo de sua existência e tem que ser alimentada pelo uso do cidadão, pela cobrança de informações, pela denúncia. Ela pode ser um elemento importante para mudar a relação doentia e viciada que constrói o sentido do estado para a maior parte da sociedade. Este sentido distorcido que permite a corrupção se propagar dentro da falta de controle, da permissividade. A Lei é uma conquista, mas tem que ser alimentada. Usar do mecanismo para que ele não enferruje e caia no esquecimento, como parte considerável de Leis já caiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…