Pular para o conteúdo principal

Demagogia contagiante

Países latino-americanos costumam transformar seus líderes em messiânicos. Na política o exercício é comum e perigoso. No Brasil, o endeusamento de personagens arruína a causa que tanto defendem. Com o juiz Sérgio Moro isto pode ocorrer.
Quando vamos aprender a preservar as instituições e não idolatrarmos os personagens. Há uma tendência em nossa formação de colocarmos pessoas acima de suas funções. Isto não faz bem. Se queremos garantir nossos direitos, defender a democracia e exigir representatividade, a regra deve valer mais que as relações. Há um contrato assinado entre a sociedade e o Estado.
Vamos usar como exemplo a Operação Lava-Jato que está em andamento e tende a trazer ao banco dos réus homens públicos e empresários. Criminosos devem ser punidos. Porém, todo mundo tem direito a defesa. As provas dos atos ilícitos são parte vital para o andamento de processos e a transformação do suspeito em criminoso.
Agora, o que assistimos, de forma perigosa, é a transformação de inquéritos em programas televisivos. O depoimento do ex-presidente Lula ao juiz Sérgio Moro era um programa esperado e anunciado. O próprio juiz federal veio aos meios de comunicação pedir para os apoiadores da Operação Lava-Jato não irem a Curitiba se manifestar. Foi uma guerra midiática.
Nos depoimentos do casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura estamos vendo o quanto vale a publicidade dentro de uma campanha eleitoral. Construir personagens públicos, transformar pessoas em produtos para seduzir o cidadão inconsciente dos papéis constitucionais que o seu eleito vai exercer.
Precisamos mudar esta lógica em nossa vida. Quando criticamos Lula e seu personalismo, sua habilidade política, a capacidade que o líder petista tem de uma retórica demagoga, temos que lembrar que esta prática encanta o desinformado. Associar a corrupção a um pai que não fica sabendo da nota vermelha do filho na escola pode ser infantil, mas para uma parte considerável da população a explicação é suficiente.
Temo também, o quanto a sociedade se esforça para fazer de Sérgio Moro um ídolo. A busca de dar a ele uma áurea de abençoado. A idolatria ao ser humano pode desconectá-lo de sua função. Meu medo, que de tanto se buscar o endeusamento, o juiz se convença e acredite que seja iluminado. Quando isso acontecer, sua causa, sua luta estará arruinada. E ele ficará cada vez mais parecido com aqueles que ele interroga e que, alguns, estão no banco dos réus.

Gilson Aguiar comenta idolatria perigosa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…