Pular para o conteúdo principal

E agora?


Temer mostra intimidade em conversa gravada com proprietário de frigorífico. Um diálogo marcado pela declaração de atos ilícitos. Em vez da renúncia, o presidente diz que não sai. Por outro lado, há quem queira a ascensão da farda para resolver nossos problemas. E agora?
A grande questão para o país após a denúncia do dono da JBS, Joesley Batista, na qual o presidente Michel Temer apoia o pagamento de mesada para se ter o silêncio de Eduardo Cunha, é “para onde vai o país? ”
A presença de Michel Temer na presidência da república parece algo surreal. Em qualquer lugar onde o comportamento ético tivesse o mínimo de consideração o presidente já teria renunciado.
Se o próprio presidente, quando fez um pronunciamento para dizer que não sairia da presidência, argumentou a recuperação econômica como o fator forte de seu governo, até mesmo para não destruir o que fez deveria renunciar.
No mesmo momento que Temer fazia o pronunciamento a Bolsa de Valores de São Paulo já apresentava forte queda. Após a fala, caiu mais ainda. Agora ele se transformou em um problema da economia que tentava reaquecer.
Dentro do próprio governo, muitos querem desvincular os atos ilícitos do presidente e a equipe econômica. Mas isto é impossível. Temer não tem mais um ambiente político para sua permanência.
Porém, mais uma vez um, o Brasil tem uma lógica que se denuncia a cada passo da crise, e que é decepcionante. A descarada conversa íntima do presidente com um empresário que diz comprar promotores e juízes, que fala em pagar dívida com Eduardo Cunha na prisão, é no mínimo cumprisse da ilegalidade feita pelo empresário.
De outro lado, diante da crise, os militares dizem que se preocupam e que podem intervir se a crise se aprofundar. Se isso acontecer, nós somos uma república de bananas, de segunda categoria, sem vergonha e sem caráter. Se precisarmos que golpe militar para resolver nossos problemas, se militares são mais eficientes para governar um país, vamos assinar nossa incompetência. Aí sim, estamos vivendo na “República do Jardim da Infância”.
O Golpe de 1964, que já foi um erro, tinha um contexto mundial da Guerra Fria, da polarização entre norte-americanos e soviéticos, uma guerra ideológica. Se falava do “perigo comunista”, do “perigo vermelho”. O temor de um governo de esquerda. Agora, não temos nada disso. Os comunistas morreram de inanição. Já a democracia no país, se tivermos um golpe militar, será um atestado de idiotice, uma infantilidade generalizada.
Assim, se alguns temem o que o mundo pensa do país, de ser corrupto, se confirmará a nossa pobreza humana.

Gilson Aguiar comenta a permanência de temer e o desejo de um "golpe militar".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…