Pular para o conteúdo principal

Futuro Incerto


Estudante que impressionou por fala em defesa da educação na Assembléia Legislativa do Paraná defende Lula e se filia ao PT. Este é o nosso futuro?
Para onde vamos? A pergunta no atual momento é pertinente. O país vive contradições. Por um lado, Temer completa um ano à frente do governo federal. Impopular, o atual presidente conseguiu domar a inflação. Também, é obra sua, frear o aprofundamento da crise, colocar reformas na pauta e garantir uma estabilidade mínima no ambiente econômico. Mas ele está longe de ter chegado onde queria.
 O ambiente de crise política continua a se aprofundar. O número de delatados e delatores aumenta. O encontro entre Lula e Moro se realizou no grande estilo que se esperava. A racionalidade e a retórica dialogaram. O ex-presidente não poupou estratégia para se livrar das acusações sobre a compra e propriedade do Tríplex do Guarujá, até mesmo a ex-mulher. Dona Marisa Letícia não está mais aqui para se defender.
Já os marqueteiros João Santana e Mônica Moura abriram a “caixa de ferramenta”. Estão fazendo acordo de delação e colocando na mesa o envolvimento do ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma com esquemas de caixa dois. Segundo o casal de marqueteiros, eles sabiam de tudo, comandavam esquemas de pagamento de campanha eleitoral de forma ilegal.
O que vai acontecer?
Ontem, o futuro deu seu sinal. A estudante secundarista Ana Júlia Ribeiro, que emocionou a população defendendo a ocupação nas escolas e a educação diante dos deputados paranaenses, na Assembleia Legislativa, saiu em defesa do ex-presidente e, até, se filiou ao PT. Chegou a subir no palanque com Lula, depois do depoimento que o petista deu ao juiz Sérgio Moro.
Ana Júlia é jovem, e terá tempo para se arrepender. Mas ela é a demonstração de uma juventude que quer acreditar na lógica ultrapassada da briga entre os “bons” e os “maus” que a esquerda messiânica latino-americana prega. Este raciocínio de “anjos” e “demônios” não existe. Talvez, seria importante discutir com os jovens a lógica do poder. A falência da democracia diante dos vícios das relações que sustentam a busca pelo mando. Na qual, o petista que se diz perseguido faz parte.
Repito e repetirei sempre, temos que parar de olhar os personagens e nos atermos mais a lógica que os sustenta. Se queremos aprender alguma coisa com o momento incerto que estamos atravessando, devemos romper os vícios da relação e não ficar apontando os viciados.
Temer está no poder, indesejado. Os partidos políticos continuam monopolizando os que devem ou não ser eleitos. Campanhas eleitorais valem fortunas e fazem de idiotas homens públicos por marqueteiros bem pagos, como João Santana e Mônica Moura, constrói mentiras em embalagens sedutoras.
E nós, como a jovem Ana Júlia, continuamos manipulados por esta educação rasa que menos discute a lógica das relações e mais quem está se relacionando. A educação cheia de populismos e paternalismos típica da inércia que nos domina.
Um dia, eu acredito, vamos aprender, que o ser humano tem um poder imenso de mudança. Vamos entender que ilusão dos ambientes de consumo também são usados para a manipulação do eleitor. Vamos entender que estamos vivendo uma democracia estética e nos impressionamos mais com o espetáculo do depoimento e a ação do juiz diante do demagogo do que com a lógica que constrói a aparência enganosa.
Mas, como dizia minha avó, há quem aprende com o exemplo e pensa no que está acontecendo e outros, desiludidos e insistentes, que irão sofrer o bastante para aprender com os erros.

Gilson Aguiar comenta o futuro diante da crise política no presente




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…