Pular para o conteúdo principal

Lula x Moro: demagogo e a lógica

No encontro entre a racionalidade lógica da interpretação dos fatos e a demagogia da retórica política, a oportunidade de uma aula sobre a sustentação do poder, recheada de advogados.
O tão esperado encontro entre a racionalidade jurídica e o populismo carismático da retórica. A demagogia e a lógica racional debateram fatos. Recheados de advogados, o encontro em o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o juiz Sérgio Moro foi mais uma lição para conhecer a lógica do poder.
Como um clássico do futebol, assim como foi, ironicamente no mesmo dia, o confronto entre o Real Madri e o Atlético de Madri, pela Liga dos Campeões da Europa, Lula e Moro se encontraram em depoimento do petista ao juiz federal. Os dois demonstraram o porquê são craques nas funções que exercem.
Enquanto Moro buscava tirar contradições do ex-presidente, Lula tentava trazer seu depoimento para o campo da lógica política. Uma aula de mestre. Tudo acompanhado por vários advogados. A estratégia de um técnico depende do bom desempenho do craque em campo, Lula não decepcionou e Sérgio Moro também não.
Sérgio Moro parecia um jornalista bem informado. Estratégico nas perguntas. Não se pode negar que o depoimento de Lula foi esperado como a estreia de um programa de TV. A série teve ontem o seu primeiro capítulo.
A liderança política não está acostumada a desempenhar o papel de réu. Mas, assim que saiu da cadeira de acusado, Lula foi ao palanque de manifestantes que foram a Curitiba apoiá-lo. Tentou demonstrar que o resultado do embate com o Juiz Moro terminou com sua vitória. Enquanto isso, seus advogados, muitos e bem pagos, davam uma coletiva em um restaurante da capital paranaense, como um técnico após o jogo, para falar do desempenho da equipe.
Mas não vamos nos encantar com a cena e nem considerar que o que assistimos na TV, sentados na poltrona em frente a telinha, é a decisão do futuro do país. O que vimos foi a demonstração de duas formas de fazer o poder. Uma pela demagogia do carisma, pela retórica que muitas vezes não tem qualquer racionalidade, mas encanta, seduz, gera apoio popular e garante a ascensão ao poder. A outra pela interpretação da norma e o enquadramento da conduta, a produção de provas e a construção da defesa ou acusação.

A única coisa que me lembrava enquanto assistia reportagens e as cenas do depoimento do ex-presidente Lula para o juiz Sérgio Moro é de que o Brasil tem o maior número de advogados e políticos do mundo. Logo, para ascender ao poder e ter capacidade de agir dentro ou fora de lei, ter a presença dos dois é imprescindível.


Gilson Aguiar comenta o encontro entre Lula e Sérgio Moro


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…