Pular para o conteúdo principal

Brasil: produção improdutiva

O País improdutivo trabalha e não consegue gerar riqueza. A falta de qualificação dos trabalhadores demonstra o quanto corremos riscos e a sobrevivência dos trabalhadores no mercado de trabalho fica ameaça e sua remuneração precária em tempos de crise.


Para se ter uma ideia da condição do Brasil em relação ao potencial de produção dos trabalhadores, levando em consideração o Produto Interno Bruno (PIB), segundo o levantamento feito pelo The Conference Board, aponta que em 2015 os trabalhadores brasileiros tiveram uma queda de produtividade de 3%.
Comparado com os demais países da América Latina, como o Chile por exemplo, há uma clara expressão de nossa dificuldade na capacidade produtiva, os chilenos tiveram 6%. Ainda temos um abismo que nos separa da produtividade norte-americana, que servem de referência para a pesquisa, somos 24% da produção de um trabalhador da terra do “Tio San”. Quem teve uma queda de produtividade maior que a nossa em 2015 foram os venezuelanos, 7,6%.
Um dos fatores importantes da falta de produtividade brasileira é a falta de qualificação dos trabalhadores. A educação não consegue gerar um trabalhador mais eficiente. Estamos longe desta condição, por mais que há melhoras, mas são pouco significativas, ainda não se faz notar no potencial de produção. Outros elementos que contribuem para a falta de produtividade é infraestrutura deficitária, o pouco investimento em equipamentos para os profissionais nos ambientes de trabalho, e o investimento em inovação. As empresas resistem em inovar.
Não podemos nos iludir que nos tempos do “pleno emprego” o país foi produtivo. Não se pode confundir produtividade com produção. O aumento do consumo não significou melhora na qualidade da mão-de-obra. Inclusive, vale lembrar, que se empregou mais por falta de produtividade dos que já estavam empregados do que por aumento do potencial produtivo. Se o trabalhador brasileiro tivesse um bom nível de potencial produtivo se empregaria menos.

Para encerrarmos esta abordagem, vale lembrar que o país tem hoje 12% menos produtividade que a média internacional. Somos 30% menos produtivos que os países emergentes. Este é um alerta para percebermos que falar sobre relações de trabalho é, também, falar da qualificação da mão-de-obra, dos ambientes de produção e da infraestrutura do país. Por isso, se qualificar é fundamental.

Gilson Aguiar comenta a falta de produtividade do trabalhador brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…