Pular para o conteúdo principal

O limite, entre cidades


Cidades conurbadas são comuns e tem problemas em comum. Há a necessidade de perceber que a administração de problemas urbanos vão além das fronteiras estabelecida pela legislação. Maringá e Sarandi são um exemplos disso.
Existe limite entre cidades? Juridicamente sim. A um território que define as cidades, mas também não há. Podemos até dizer que existem muitos limites, em sua maioria invisíveis.
No papel, agora, Sarandi e Maringá redefiniram seus limites. Cerca de 2 mil moradores que eram tidos como moradores de Maringá, vão mudar para Sarandi sem sair do lugar.
Financeiramente, é um ganho para a Sarandi. Ela passa a ter repasses do Fundo de Participação dos Municípios com um incremento de quase R$ 3 milhões de reais, por ano. A prefeitura da cidade comemora o que pode significar mais recursos para a saúde, educação e outros gastos.
Ao mesmo tempo, a câmara de vereadores aprovou um projeto do executivo em primeira discussão bloqueando a instalação de empresas de tratamento de resíduos na cidade. O interesse é impedir o depósito de lixo de outros municípios, principalmente de Maringá. Esta é mais uma fronteira que se quer romper por alguns e se deseja manter por outros.
Contudo, parte considerável dos trabalhadores de Sarandi se deslocam para Maringá diariamente para trabalhar. A economia de Maringá é centro de atração para muitos que migram para região. O crescimento das cidades conurbadas, Sarandi e Paiçandu, acabam sendo um reflexo do crescimento de Maringá. Neste caso, não há limites ou fronteiras.
Também não há limites e fronteira para a violência. Somente na hora de responsabilizar a ação de repressão, o crime muitas vezes ocorre mais em uma cidade do que na outra. Contudo, o consumo de drogas há nos dois lugares, a renda diferente do dependente faz um estar mais sujeito a violência do que o outro. Talvez a droga gere mais lucro e consumo em Maringá, mas em Sarandi gera mais homicídios.
A integração entre as duas cidades é um sonho e um pesadelo. Porém uma verdade. A integração deveria ser mais intensa. Deveríamos estar mais atentos ao que ocorre em uma cidade e outra. É impossível resolver o problema de uma sem levar em consideração o envolvimento da outra.
Políticas de planejamento urbano, de mobilidade urbana, de combate a violência, de Saúde, etc. deveriam estar integradas, pensadas conjuntamente. Mas não estão. Preferimos, infelizmente, manter a fronteira flexível. Erguer o muro com a cidade vizinha quando nos interessa e baixa-lo quando é conveniente. Queremos apenas a solução que os moradores de Sarandi nos trazem, com seu trabalho. Mas não estamos dispostos a resolver seus problemas diários de habitação, educação, saneamento, transporte. Nestas horas é que a “fronteira” ou “limite” se eleva.

Gilson Aguiar comenta a conurbação entre Maringá e Sarandi.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…