Pular para o conteúdo principal

Locke tem razão


A tradição de se valorizar o executivo e não se ater a quem colocamos no legislativo tem um preço nefasto. Agora, no caso Temer, estamos percebendo qual o papel do parlamento. Que as próximas eleições traga mais responsabilidade na escolha dos deputados.
O pensador inglês do Século XVII defendia o poder legislativo como o mais importante. Ele representa o poder da sociedade, da massa, do povo. Para Locke, o legislativo se aproxima da vontade popular. Segundo ele, o parlamento deve estar acima dos poderes executivo e judiciário. Contudo, defendia que os deputados devem ser convocados apenas em momentos de crise. Terminada sua necessidade, deveria voltar para suas funções na sociedade.
Claro que o parlamento de Locke é bem diferente do nosso. O inglês viveu a representatividade partidária, das agremiações, e sua supremacia sobre seus membros. No Brasil a sigla é “cuspida e escarrada”, é apenas meio e não sentido. Vale pouco. O modelo inglês leva em consideração a coerência de uma sigla partidária e a as bases representativas do legislador eleito. Entre nós isso não se realiza.
Para ouvir o comentário sobre o tema, clique aqui.
Veja o que ocorreu na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Deputados (CCJ). O primeiro relator indicou a autorização da abertura de processo contra o presidente Temer. Mas, de forma rápida, o presidente e seus aliados articularam os deputados aliados e fizeram 26 mudanças na CCJ para mudar o rumo da votação. Trocaram até mesmo o relator, que inclusive era do PMDB, por outro do PSDB. Saiu Sérgio Sveiter e entrou Paulo Abi-Ackel. Tudo para salvar o presidente.
O legislativo mostrou sua força. Mas também mostrou sua podre composição. Em vez de fazer valer a regra, agir de forma lúcida diante das provas incontestáveis do envolvimento do presidente em atos ilícitos, age para favorecer o clientelismo. Este é o sentido da ação de parte considerável dos parlamentares brasileiros. Prática que não nasceu hoje e nem depende de cada um, é um hábito. Favorecer a si mesmo e manipular os efeitos sociais a favor dos seus associados.
Por isso, as eleições de 2018 servem como uma prova para nosso aprendizado. Respeitar mais a escolha dos deputados federais e senadores. Acompanhar os parlamentares em seus mandados. Aprender que no legislativo está uma força importante da sustentação do poder e também das suas mudanças.

Gilson Aguiar comenta o papel do parlamento no Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…