Pular para o conteúdo principal

No raso se perde a profundidade dos fatos


Temer sobreviverá. Ele vai chegar ao final de seu mandato. Ele conhece a lógica do poder. Nós, os eleitores, fazemos parte dela, mas somos marionetes, não temos o comando da lógica que sustenta os desmandos e corrupção. É preciso mudar isso. 
Michel Temer deve conseguir manter-se no poder até o final do mandato. Pelo menos, se depender da votação que deve ocorrer na Câmara de Deputados esta semana. O presidente fez um longo e árduo trabalho de sedução, cobrança e compra de votos a seu favor. Deputados molharam as mãos de recursos, e sabe-se mais lá o que, para favorecem o presidente.
A denúncia do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, não deve avançar. Bom lembrar que Janot sai do cargo ainda este ano. As coisas estão melhorando para o presidente que conta com o maior índice de impopularidade da história do país. Para a maioria dos brasileiros, que não gostam dele, piora.
Atrelar o ambiente político ao econômico tem sido o discurso que favorece os defensores do presidente corrupto. Ele seria necessário. Ruim com ele, pior sem ele é a defesa de grande parte dos deputados aliciados ou tradicionais aliados.
Há um lógica que sustenta a perversidade do poder. Nós temos que entender o papel que desempenhamos nela.
O que incomoda, nesta lógica, é a possibilidade dela vingar e demonstrar, o que não seria surpresa, que a maioria dos brasileiros está preocupada apenas com sua vida imediata. Ter benefícios econômicos e melhorar o poder de consumo diante da crise. O futuro importa pouco. Consolidar a democracia e a legalidade é prática secundária. A retórica da cidadania se torna apenas aparência sem ato. Um valor embalado em papel de presente e conteúdo vazio.
Ao conseguir chegar ao final do mandato, Temer estará legitimando a manutenção da velha lógica do poder e seus sócios. Da representação manipulada por migalhas, remediações e não por soluções. Deputados contribuem para repasses de precariedades em suas regiões. Mantém a miséria. Garante apoio ao governo e teremos no futuro o que temos hoje, promessas sem soluções.
A lição está dada. O que estamos vendo é uma lógica permanente da sobrevivência do perverso homem público e da pobre lógica do eleitor. O imediatismo dos eleitores legitima as migalhas que mantém o poder sobre miserável.
Por isso, não se acaba com a miséria, ela sustenta o poder. Ironia, oito em cada dez eleitores querem que Temer seja julgado pela acusações PGR. Mas a maioria dos deputados, que representam estes eleitores, prefere desconsiderar as estatísticas e apostar no imediatismo do eleitor. Com um pouco de migalhas ele muda ou esquece a opinião.

Gilson Aguiar comenta a permanência lógica do poder.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…