Separatismo congênito


Separar as vezes é a solução, as vezes não. Em regra, os que desejam se separar se sentem prejudicados pela convivência com o outro. Mas, há culpa de todos. Talvez sejam os defeitos que nos unem.
Vamos cortar a parte podre? Sim, mas qual parte não é podre. Quando todos querem se separar acusando ser contaminado, não há solução. No Brasil, ao longo de sua história e também na atualidade, pipocam movimentos separatistas. A grande maioria sem relevância social. Porém, eles são uma demonstração da tese de que o problema é sempre dos outros. Aqueles discursos de mãe justificando os erros do filho, “são as más companhias!”.
O movimento separatista de maior fama, na atualidade, é o que deseja separar os estados do Sul do Brasil, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Ele se chama “O Sul é o Meu País”. No Facebook, a página do movimento tem 122 mil curtidas. Mas nem todos que curtem curtiriam pegar em armas e fazer a independência.
Há até um movimento no Distrito Federal, com o título bem original, “Brasília é o Meu País!”. O mais engraçado neste movimento é o seu slogan, “Por Uma Brasília Livre da Corrupção dos Outros Estados”. Também é engraçado que a corrupção é retórica da maioria dos que desejam separar o seu quinhão nacional.
O separatismo é um movimento histórico no Brasil. Porém, o mau acusado dos que querem se separar é também seu maior defeito (Clique aqui para ouvir comentário).
Mas a história do Brasil é feita de movimentos separatistas mais sérios, de ações concretas, de luta para a formação de um território livre. Sem levar em conta a Inconfidência Mineira, 1789, que se quer seja nacional e se concentrava no Sudeste do Brasil Colônia, há outros.
Conjuração Baiana (1798), Revolução Pernambucana (1817), Confederação do Equador (1824), Cabanagem (1835-1840), a República Baiense (1837), A Guerra dos Farrapos (1835-1845), Revolução Praieira (1848) e a Revolução Federalista (1893-1895). Fora os que deva ter esquecido. Mas o separatismo não é novidade.
A formação do Estado Nacional Brasileiro e forjado de forma autoritária. Foi a transferência da Corte de D. João VI que deu início a consolidação da unidade territorial e a consolidação do poder central. O Brasil nasceu da monarquia portuguesa, da implantação da estrutura administrativa de Portugal no Rio de Janeiro.
O então príncipe regente, ao se instalar no Brasil, trouxe a forma de governança patrimonialista, clientelista e nepotista. Aqui se adaptou as alianças e relações pré-existentes da administração colonial. Deste mal, todo o território se interligava e se comunicava muito bem através de suas autoridades, lideranças, elites econômicas locais participantes do poder.
O poder tem sua lógica que o sustenta. A permanência da unidade nacional foi construída a força, a custa de intervenções, de guerras contra separatistas, de conter revoltas sociais. Mas a maneira de manter a unidade brasileira foi eficiente, também, na relação de todas as regiões com o poder central.
Hoje, os movimentos separatistas são mais um exercício da alucinação imediatista não deve ser levado a sério. Estamos diante de problemas profundos que não se resolvem com rupturas. Nem tem forças sociais para isso.

Voltando ao começo de nossa conversa, todos os movimentos separatistas combatem a corrupção, esta é uma bandeira comum. Contudo, o culpado é sempre o vizinho, quem está ao lado. Logo, se quem quer se separar acusa o outro, e se o outro também é culpado, a “corrupção nos une”. Somos todos más companhias.
Gilson Aguiar comenta os movimentos separatistas no Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

O poder no Brasil