Pular para o conteúdo principal

Separatismo congênito


Separar as vezes é a solução, as vezes não. Em regra, os que desejam se separar se sentem prejudicados pela convivência com o outro. Mas, há culpa de todos. Talvez sejam os defeitos que nos unem.
Vamos cortar a parte podre? Sim, mas qual parte não é podre. Quando todos querem se separar acusando ser contaminado, não há solução. No Brasil, ao longo de sua história e também na atualidade, pipocam movimentos separatistas. A grande maioria sem relevância social. Porém, eles são uma demonstração da tese de que o problema é sempre dos outros. Aqueles discursos de mãe justificando os erros do filho, “são as más companhias!”.
O movimento separatista de maior fama, na atualidade, é o que deseja separar os estados do Sul do Brasil, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Ele se chama “O Sul é o Meu País”. No Facebook, a página do movimento tem 122 mil curtidas. Mas nem todos que curtem curtiriam pegar em armas e fazer a independência.
Há até um movimento no Distrito Federal, com o título bem original, “Brasília é o Meu País!”. O mais engraçado neste movimento é o seu slogan, “Por Uma Brasília Livre da Corrupção dos Outros Estados”. Também é engraçado que a corrupção é retórica da maioria dos que desejam separar o seu quinhão nacional.
O separatismo é um movimento histórico no Brasil. Porém, o mau acusado dos que querem se separar é também seu maior defeito (Clique aqui para ouvir comentário).
Mas a história do Brasil é feita de movimentos separatistas mais sérios, de ações concretas, de luta para a formação de um território livre. Sem levar em conta a Inconfidência Mineira, 1789, que se quer seja nacional e se concentrava no Sudeste do Brasil Colônia, há outros.
Conjuração Baiana (1798), Revolução Pernambucana (1817), Confederação do Equador (1824), Cabanagem (1835-1840), a República Baiense (1837), A Guerra dos Farrapos (1835-1845), Revolução Praieira (1848) e a Revolução Federalista (1893-1895). Fora os que deva ter esquecido. Mas o separatismo não é novidade.
A formação do Estado Nacional Brasileiro e forjado de forma autoritária. Foi a transferência da Corte de D. João VI que deu início a consolidação da unidade territorial e a consolidação do poder central. O Brasil nasceu da monarquia portuguesa, da implantação da estrutura administrativa de Portugal no Rio de Janeiro.
O então príncipe regente, ao se instalar no Brasil, trouxe a forma de governança patrimonialista, clientelista e nepotista. Aqui se adaptou as alianças e relações pré-existentes da administração colonial. Deste mal, todo o território se interligava e se comunicava muito bem através de suas autoridades, lideranças, elites econômicas locais participantes do poder.
O poder tem sua lógica que o sustenta. A permanência da unidade nacional foi construída a força, a custa de intervenções, de guerras contra separatistas, de conter revoltas sociais. Mas a maneira de manter a unidade brasileira foi eficiente, também, na relação de todas as regiões com o poder central.
Hoje, os movimentos separatistas são mais um exercício da alucinação imediatista não deve ser levado a sério. Estamos diante de problemas profundos que não se resolvem com rupturas. Nem tem forças sociais para isso.

Voltando ao começo de nossa conversa, todos os movimentos separatistas combatem a corrupção, esta é uma bandeira comum. Contudo, o culpado é sempre o vizinho, quem está ao lado. Logo, se quem quer se separar acusa o outro, e se o outro também é culpado, a “corrupção nos une”. Somos todos más companhias.
Gilson Aguiar comenta os movimentos separatistas no Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…