Trânsito de Remediações e Remendos


Violência no trânsito é falta de educação. Não adianta querer separa motos de carros. Temos que investir em um trânsito seguro. Poder público erra por medidas imediatistas quando se fala em deslocamento urbano.
 A Câmara de Vereadores de Maringá aprovou a instalação de corredores exclusivos para motocicletas, além de bolsões nos semáforos para que as motos possam sair antes dos carros. A medida é um erro. Mas não é novidade.
A ideia de gerar segurança separando as faixas de rolamento é prática infantil. O desrespeito impera sobre a regra estabelecida. A motocicleta acabará ocupando uma porção maior das vias, sem ter volume para isso. Os carros mais empilhados e restritos, vão colidir mais, pode avançar sobre o deslocamento dos motociclistas e o engarrafamento vai piorar. Ainda mais, esprememos o modal que ocupa o maior volume, o automóvel.
Não se resolver o trânsito com medidas "populescas". Para ouvir mais... (Clique Aqui).
O trânsito é uma convivência entre os diversos modais, não uma segregação. Exclusividade para ser garantida requer controle, fiscalização. Diante da estrutura que se tem, fazer cumprir a medida de faixa exclusiva terá um custo elevado. Melhor é tentar diminuir o transporte individual e incentivar o transporte coletivo.
Quando falamos do uso da bicicleta, o espaço em uma faixa exclusiva se viabilizaria pela porção da via que ocuparia. Assim como a segurança para o pedestre, que também é vital. Motocicletas são veículos motorizados que se deslocam a uma velocidade próxima a dos automóveis. O veículo em si é o que oferece o maior risco, não por acaso tem o maior número de mortos no trânsito.
A medida tomada pela Câmara de Vereadores é populista e paliativa. Também denuncia uma falta de projeto de mobilidade urbana de longo prazo. O transporte coletivo deve ser a prioridade. Ele sim tem direito a uma faixa exclusiva. O coletivo pode dar segurança, deslocamento para todos e reduzir poluentes.
O grande problema em relação às motos é parte dos motociclistas. Eles andam em meio aos carros, costuram no trânsito para ganha tempo. Empresas que contratam motoboys exigem velocidade máxima e habilidade de desrespeitar a norma. Também, muitos motociclistas já fazem isto como prática de seu deslocamento.
Gilson Aguiar comenta mobilidade urbana.

Comentários