Pular para o conteúdo principal

Passivo Social II


Ao longo da história construímos um passivo social que se mantém o nosso principal dilema. A solução está em romper com a ignorância que o a política econômica não quis ou não se propôs a superar.
A herança do que a escravidão gerou não é uma questão racial, mas econômica e social. Vai além da questão de uma nação escravizada, é o país escravizado. Geramos, ao longo do tempo, uma visão sobre o trabalho, seu significado, seu sentido. E a impregnação de sentido que a escravidão deixou não foi boa. O trabalho não significou dignidade com o tempo, mas uma expressão da miséria.
Durante as décadas que sucederam a abolição, a partir de 1888, o grande número de pessoas liberadas da condição servil ficou disponível para trabalhos braçais de baixa complexidade. Uma mão-de-obra barata que seria tratada livre da mesma forma de quando era escrava. Mesmo as gerações futuras destes trabalhadores sentiriam no trato o que foi a escravidão.
Porém, a produção agrícola fundada no trabalhador braçal, no colono, daquele que morava na propriedade rural, garantiu a sobrevivência das economias agrárias de maior importância no país. Esta condição foi resultado de não serem qualificados, de não se ter uma política de incentivo a propriedade ou a desqualificação do passivo social. Lembrando que trabalhos com ganhos baixos.
Foi com a urbanização do país que se teve a dimensão do que representa a contradição e o contraste social fundado desde de sua formação. O crescimento das cidades brasileiras, lembrando que o país tem hoje mais de 85% de sua população nos espaços urbanos, foi marcado pela desigualdade. O trabalhador necessário para construir e servir a uma população qualificada que predominou economicamente nas cidades brasileiras.
O momento deste deslocamento populacional do campo para a cidade, o que chamamos de êxodo rural, foram as décadas de 1950 a 1970. Foi neste ambiente que muitos buscaram a cidade como refúgio. Mas também se transformou no campo do conflito e de marginalidade. De cortiços a favelas, o passivo social se concentra e reage a miséria. Mas não de forma política e ideológica, apenas na luta pela sobrevivência.
Hoje, parte considerável dos problemas que temos no ambiente urbano foi construído sobre este campo social fértil. Há uma grande quantidade de brasileiros que estão dispostos a serem explorados ou servirem aos propósitos da violência crescente nas cidades.
O crime organizado, violência, tráfico e todos as mazelas urbanas se alimentam desta herança do passivo social.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…