Casta Política


Acreditamos na representatividade, mas ela é apenas o ato da escolha do representante público. Ela não se exercita como atuação do político. A vocação do homem público se confunde e, muitas vezes, está subordinado a sua busca de se fazer na política.
A profissionalização da política e suas regras de poder existem e derrubam por terra a retórica da representatividade. Não há o poder ideológico tão propagado, há a busca de manter-se na função pública para fazer carreira. Em países como o Brasil, com sua história de poder, a formação da oligarquia política exige ritual.

A carreira de um homem público deve passar pela sabatina dos acordos, da manutenção do trato entre o poder legislativo e executivo. Representar nunca estará acima de acordos que sustentam suas posições. A ascensão na carreira política em uma democracia não passa pela expressão dos interesses sociais. A manobra da função eleita em benefício de um poder que pouco representa as classes populares é prática.
Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
No Brasil, a casta política faz história. É também é fruto dela. O estado agigantado permite a busca de participar da riqueza e garantir um quinhão pessoal dentro da máquina pública. Há os que entram pelo concurso e aqueles que pela demagogia ascendem. O país cheio de golpes e populismos, demagogos e ilusórios homens públicos, iludem e distorcem a democracia.

De Temer, na política federal, aos acordos e manhas das inúmeras câmaras de vereadores de todo o país, se expressa à lógica dos fracassos e vitórias dos homens públicos. Os que permanecem nem sempre são a expressão dos interesses sociais, mas os que se submetem aos acordos e se curvam diante dos favores que vão lhe permitir permanecer em um cargo público.

Política de corporativismo e casta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

O poder no Brasil