Pular para o conteúdo principal

Política de ganhos


Política é feita de interesses. Há os do cidadão e os dos representantes públicos. Qual prevalece? Entre a retórica eleitoral e relação real, a representação política gera uma casta, disposta a atender seus interesses.
Volta a discussão na Câmara de Vereadores de Maringá o pagamento de décimo terceiro salário para os parlamentares municipais. A questão divide opiniões, mas a maioria dos maringaenses é contra a mais este ganho aos parlamentares.

Na Câmara de Vereadores o projeto que permite o recebimento do décimo terceiro salário entrou e saiu. Depois de uma combinação nos bastidores que contavam com apoio de todos os parlamentares, na hora da votação, houve quem pipocou. Parlamentares recuaram. Pediram a suspensão da discussão por quatro sessões.

Indignado com a quebra do acordo, o presidente da Câmara, Mário Hossokawa retirou o décimo terceiro de votação e arquivou o projeto. Por ele, nunca mais volta. E se voltar, ele vota contra.

Na mesma fala do porque não apoia mais, o presidente do parlamento municipal disse que nada seria votado na “calada da noite”, na surdina. Isto porque o projeto que não estava na pauta da sessão normal da câmara, apareceu em uma votação extraordinária na última quinta-feira.

Políticos buscam seus interesses. Mas qual o limite disso?

Mas a questão é, os parlamentares merecem ou não um 13º salário? Bom, temos que primeiro fazer a pergunta, temos os parlamentares que queremos?

Nós elegemos os vereadores. Eles não colocam em pauta de suas campanhas que desejam ter um décimo terceiro salário. A discussão nunca é feita abertamente. Não se apresenta argumentos do porque os vereadores merecem o ganho.

Não considero ruim os parlamentares municipais terem um décimo terceiro. Este não é o problema. A negativa da maioria da população está relacionada ao descontentamento com o homem público, com a política, com o governo, com tudo o que se associa ao estado.

A visão limitada da população sobre o que merece ou não os representantes públicos têm sua lógica. Ela não consegue discernir a função dos vereadores, como da maioria dos cargos públicos. Isto é ruim.

Se por um lado, os que desempenham de forma eficiente sua função como representantes públicos se consideram desvalorizados e com pouco estímulo para representarem a população, há os que se revoltam por não ter uma boa remuneração já que pretendem se fazer financeiramente na política.

Os maus condenam os bons. Isto acontece em vários lugares. O erro é a generalização. Ou ganha todo mundo ou não ganha ninguém. O mesmo acontece entre os eleitores. A vitória da maioria é democracia. Mas há as minorias que não podem ser esquecidas.

Contudo, se a maioria é ignorante, não conhece a função do poder, a democracia leva a erros constantes. Logo, os vereadores conhecem seus eleitores. Sabem que eles não aprovam o décimo terceiro, mas se tem algo que une os homens públicos são seus ganhos pessoais. Esta proposta é unânime.
Gilson Aguiar comenta sobre os ganhos dos homens públicos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…