Pular para o conteúdo principal

Escola: sem partido ou sem competência?


A ignorância propagada é um risco a democracia. Caso ela se instale, pode fazer da maioria ditadores insanos. A questão da "Escola Sem Partido" chega a ser irônica. Querer controlar o conteúdo na escola é incompetência dos professores e ignorância social e política. Quem elabora as leis pode não ter tido "bons" professores.
Mais uma Lei da Escola Sem Partido. Se já não bastassem as discussões em âmbito nacional, com um projeto na Assembleia Legislativa do Paraná, agora brota uma lei no mesmo sentido na Câmara Municipal de Maringá. Um dos autores do projeto, o vereador William Gentil diz querer tirar o radicalismo político de sala de aula. Quando questionado pelo repórter Victor Simião sobre como ficariam as aulas de Sociologia, História e Filosofia com esta lei. O parlamentar não explicou bem, apenas disse que tem tirar o radicalismo político.

Já, o vereador Jean Marques é voto que falta para ver a legalidade ou não da medida, se o poder municipal tem ou não autonomia para ministrar sobre a questão e não se posicionou sobre o mérito. Ele preferiu falar da legalidade a lei. Eu espero que o município não tenha poder de interferir nesta questão.

Por sinal, dizem que os que fazem da sala de aula um palanque partidário são os professores de esquerda. Também, se fala que não se dá tratamento equilibrado as diferentes correntes ideológicas se desprezam o pensamento liberal, de direita e ou conservador. Ou seja, há uma forte influência do materialismo histórico dialético.

Bom, vamos lá. Eu sou um professor da área de humanas, sou um professor de direita. Aos meus alunos, fica claro que critico o materialismo histórico e dialético. Faço crítica ao socialismo e as tendências que a corrente ideológica tomou e toma na vida política do mundo, na América Latina e no Brasil. Quem já teve a oportunidade ou a fatalidade de ter aula comigo, sabe.

http://cbnmaringa.com.br/noticia/gilson-aguiar-comenta-projeto-de-lei-escolas-sem-partido

Porém, sempre apresentei as teses do materialismo histórico com o mesmo respeito que apresento o estruturalismo ou o funcionalismo. A questão não é o professor se posicionar em relação a uma corrente ideológica ou deixar claro sua opção partidária. O problema é a qualidade do ser humano. Quando vamos tratar disso? As pessoas são ruins, os professores são ruins.

A ignorância impera dentro e fola da escola. O ambiente educacional é só uma expressão das relações vazias, sem qualidade científica e de baixa lógica racional. A burrice com um giz na mão é um perigo. Muitas vezes, os maus formados avançam em suas profissões. Médicos, advogados, administradores, psicólogos e na política, como qualquer outra atuação, a expressão da má formação está presente.

Calculo que a presença de um projeto que controle do que é falado em sala de aula é uma expressão da má qualidade da formação humana. Sobre a questão religiosa e de gênero, a lógica é a mesma. O dito religioso, pegando os cristãos como exemplo, em sua maioria, nunca leram a Bíblia, mas decoraram frases soltas para justificar seus pecados. Na questão de gênero, em uma sociedade cheia de comportamentos sexuais agressivos e de uma sociedade mal resolvida sexualmente, qual a competência para proibir o que não conhece?

Enfim, não há lei que resolva a ignorância, o que temos é leis que resultam de uma sociedade ignorante. Seria bom se tivéssemos uma escola melhor, tudo seria mais fácil, melhor discutido e resolvido. Tem muita gente que precisa voltar para a escola. Até que se acha no direito de decidir o que deve ou não ser ensinado. A que ponto que chegamos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação do Estado Nacional Moderno

A formação do Estado Nacional Moderno é um dos momentos mais importantes da consolidação da sociedade e da economia contemporânea. As organizações do poder nos territórios nacionais estabilizaram as relações econômicas e garantiram o estabelecimento da sociedade com a representação do poder no poder estabelecido no território nacional. Max Weber em especial tinha interesse significativo na formação do Estado Nação. A Alemanha, sua terra natal e na qual ele acompanhou a unificação dos estados germânicos, foi seu objeto de estudo e estímulo para a compreensão da política, da lógica econômica e a sociedade em relação ao poder. Uma das primeiras questões tratadas por Weber foi a questão da liderança. O que ela significa e como pode ser compreendida no exercício do poder no Estado Nacional. Por isso, ele considera que ela deve ser entendida na construção das relações sociais. Há uma herança no poder, fruto das condições que o construíram e como ele se consolida diante da sociedade sua au…

Um pouco de teoria do Estado, Política e Economia

Saber fazer política é conhecer suas teses. Para a crítica ou defesa da ação do Estado, avaliar aqueles que ocupam os cargos públicos, os representativos em especial, é fundamental. Estamos vivendo um ambiente político crítico. O presidente da república é impopular. Menos de 5% da população consideram seu governo “ótimo”. Menos de 7% o aprovam como governante. Mas ele se mantém. Seria possível fazer da lógica de Nicolau Maquiavel um instrumento para entender a permanência de Michel Temer no poder? Acredito que sim. A primeira coisa a entender é que não está na popularidade ou não do presidente a sua sustentação. Outras forças conspiram a favor do governante. E uma das mais importantes são seus acordos políticos com o Parlamento, em especial o Congresso Nacional. O esforço do governante e ver aprovada suas medidas e evitar seu julgamento pela Câmara dos Deputados foram bem-sucedidas.  Os acordos políticos, repasses de verbas, nomeações de cargos e, possíveis ações encobertas, mantiver…

O poder no Brasil

Por que não aprendemos a lição? Quando se fala de política a razão é simples, nós estamos atentos aos personagens e ao momento. Temos que ficar mais atentos a lógica do poder. Há uma relação constituída de forma tradicional que garante a tendência do poder para determinados fins e grupos.

Assistindo as denúncias que tomam conta dos meios de comunicação sobre políticos envolvidos em corrupção, mas principalmente com “caixa 2”, temos a oportunidade de aprender a lógica da sustentação do poder. Mas será que conseguimos perceber diante da oportunidade?
No Brasil, a constituição do Estado se estabelece na própria formação do território colonial. Lá, nos primórdios do estabelecimento da estrutura colonizadora se dava os primeiros passos para alicerçar o poder. Isto se deve, em grande parte, pela forma como nossa “emancipação” se estabeleceu. D. Pedro I era filho do D. João VI. O primeiro imperador do Brasil foi ser rei em Portugal.
Na independência monárquica que o país viveu se estabelece…