Pular para o conteúdo principal

Carnaval: para ver e não pensar


O Carnaval mudou ao longo da história, isto é natural. No Brasil, onde a festa é um símbolo do país, ele se tornou algo para se ver e não pensar. O que já foi uma expressão da crítica hoje é um produto de mercado. O folião também mudou, acompanha a tendência de mercado.
Uma festa histórica, europeia, cristã. O carnaval antecede a Quaresma e é o momento de fazer tudo o que o não se pode. A festa do excesso. Sair do dia a dia e agir como se deseja de forma extrema. A liberdade em sua expressão mais original e, por isso, perigosa. O carnaval é o momento de ficar irreconhecível. Como diz a música de Chico Buarque: “Quem te viu, quem te vê, quem não a conhece não pode mais ver para crer e quem jamais se esquece não pode reconhecer”.

O carnaval, no Brasil, trazido pelos europeus, se constituiu em mais uma amalgama do encontro entra brancos e pretos, plagiando o antropólogo Darcy Ribeiro. Na periferia dos grandes centros, como da antiga capital, o Rio de Janeiro, foi momento de crítica. Se descia o morro, se percorria as ruas. Os ricos, os abastados e ditos cultos, fechavam suas janelas, saiam da cidade para não conviver com o que consideravam uma expressão da pobreza. O carnaval é coisa de quem não tem o que fazer. Há quem pense assim ainda hoje.

Ouça o comentário sobre o tema clicando aqui.

Mas o carnaval popular e original ganhou as graças do nacionalismo varguista. Na década de 1930 ganhou calendário e apoio oficial. Desfile organizado e a festa ficou mais estética. A beleza ganhou espaço e a crítica e a identidade popular enfraqueceram. Na venda da imagem se perdeu o conteúdo. Hoje, assim como outras expressões culturais, ele é um produto a ser saboreado.

Porém, o empobrecimento do sentido e conteúdo faz do carnaval, cada vez mais, um lugar para se extravasar os interesses particulares, a vontade pequena de cada folião. Os grandes temas vão se perdendo e a fala original da crítica dá lugar a pura fantasia sem sentido ou lógica.

Os desfiles de escolas de samba são o maior símbolo do carnaval brasileiro. Uma expressão do que somos. A massa empobrecida das periferias da cidade se organizam durante todo o ano para ter seus 40 minutos de destaque desfilando para os abastados que compram a festa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…