Pular para o conteúdo principal

Mulheres mais qualificadas


Elas estão mudando. Mais independentes, começam a ocupar espaços e ter comportamentos considerados exclusivamente masculino. Elas se emancipam, os homens devem se emancipar também.
As mulheres estão aumentando sua renda média. Segundo dados do IBGE, elas estão ganhando mais, principalmente as mais jovens. Se qualificando cada vez mais, são as que menos abandonam a educação. Esta tendência, dos últimos 30 anos, agora colhe seus lucros.

Elas reduziram a diferença salarial nos últimos 10 anos de 30 para pouco mais de 26%. A busca de construir a vida independente, romper a cultura da dependência e o destino de ser obrigatoriamente mãe, a mulher faze escolhas.

Mas não é só no trabalho que elas estão surpreendendo. Na vida pessoal, emocional, também. Elas já não se sentem obrigadas a esperar o “príncipe encantado”. A maioria dispensa aquele que irá salvá-la da torre do castelo. Elas têm seu próprio cavalo e colocaram a armadura, estão prontas para o combate. O que não as impede de continuarem femininas e sensuais. Talvez até mais assim, empoderadas.

Agora, o maior obstáculo para a emancipação feminina será a cultura machista. Fora de lugar, ultrapassada no tempo e perigosa. Os homens contemporâneos estão mudando em relação a percepção da função da mulher, na defesa de sua emancipação. Porém, ainda é lenta esta mudança, não acompanha a tendência de uma igualdade plena.


Bom lembrar que o machismo, assim como boa parte da violência contra a mulher, começa em casa. É dentro do discurso da boa educação que se educa a menina para a submissão e o rapaz para a imposição. A família tradicional está em decadência. Não por perversidade, mas porque a relação, principalmente econômica, mudou.

A liberdade é a essência da vida privada. E a mulher é cada vez mais livre. Quem as educa deve ter em mente esta condição. Mas isso não significa a libertinagem, o abuso ou excesso. É simplesmente a liberdade de agir e se responsabilizar pelos atos. Ao mesmo tempo em que elas se emancipam vãos ficando mais responsáveis pelos seus atos e dispensam o provedor que lhe sustente e proteja.

Por isso, eduque seus filhos a cozinhar, lavar e passar. Ensine os filhos a viverem sem precisar de uma mulher que cuide deles como a mãe fazia. A maioria dos homens machistas casa com uma segunda mãe. Submetem a esposa para poder garantir a eternidade da relação materna disfarçada de afazeres domésticos. O homem do futuro não precisará de uma esposa-mãe, mas de uma parceira que assuma com ele todas as responsabilidades da vida. Assim faremos a revolução masculina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…