Sem Futuro



Como será o futuro? Temos que ter otimismo, mas temos que construir um mundo melhor. Para ser melhor é necessário encarar nossos problemas, de frente. Os jovens estão ameaçados. Eles podem ter um ganho menos que o dos pais. Por isso, devemos incentivar a qualificação já.
O futuro é algo a se temer. Ao observarmos os números de jovens qualificados no Brasil e que estão aptos a ingressarem no mercado de trabalho há com o que se preocupar. Hoje, segundo o Banco Mundial, um em cada dois jovens brasileiros não é capaz de aproveitar as oportunidades do mercado de trabalho, não estão qualificados.

Não podemos esquecer que são os jovens que mais sofrem com o desemprego. São 30% deles nesta condição, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). A baixa qualificação fragiliza o futuro da mão de obra e afasta investimentos. O preço de qualificar fica cada vez mais caro conforme a idade avança.

Entre os jovens mais pobres a condição de qualificação é ainda pior. O ambiente econômico, social e escolar, por consequência, acaba por estimular o abandono da educação. Vale lembrar, pela pesquisa do Banco Mundial, que um ano a mais na escola, no Brasil, não faz efeito na renda, praticamente.

Para ouvir comentário sobre o tema. clique aqui.

A persistência de baixa renda na escola também é baixa no Brasil. Apenas 2,1% dos que pertencem aos 25% mais pobres permanecem estudando e com bom desempenho escolar. Os dados são do Pisa em análise da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Isto porque a análise é feita com alunos que tiveram um desempenho mínimo satisfatório em Matemática e Português.

A renda para a metade dos jovens será menor que a dos seus pais. A maioria dos jovens que tem hoje menos de 25 anos não vai conseguir repetir a renda de suas famílias quando chegarem a fase adulta. Não por acaso muitos não querem sair de casa.  A permanência dos jovens no lar é menos sentimento e mais o bolso vazio.

Aquilo que muitos defendem como um sinal de amor, deixar o filho jovem em casa enquanto ainda faz a vida, na prática, é a expressão do insucesso de quem quer a independência e não consegue sustentá-la. A construção da maturidade vem da experiência de administrar a própria vida, financeiramente também. O que denominamos de “futuro”, muitos não vão experimentar. Por isso, temos que temer o amanhã.

Comentários