Pular para o conteúdo principal

Estatal tem seu mal


Privatização não é ruim, as regras podem ser pervertidas. Mas diante de alguns problemas que atravessamos, privatizar seria uma saída. A Copel retirou o serviço de recebimento da conta de luz pelas lotéricas. Não pretende retomar. Isto é ruim. Mas quem pode cobrar uma solução? A Empresa Estatal mal responde a pergunta do por que fez isso.

A Companhia Paranaense de Energia Elétrica, a Copel, não renovou convênio com a Caixa Econômica Federal e com lotéricas para o pagamento da conta de luz. O que era uma “mão na roda” para uma parte considerável dos paranaenses. A lotérica tem horário diferenciado e tem mais unidades que bancos. Além de agilidade no atendimento que muitas agências bancárias não têm. Mas agora?
Para ver comentário sobre o tema, clique aqui.
Encerrada a facilidade, a empresa estatal de energia criou outro, um aplicativo para se baixar no seu smartphone e celular a conta de luz para que se possa pagar a fatura on-line, copiando o código de barra. Facilita para alguns, mas não todos. Nem todo mundo sabe lidar com um celular. Caímos na exclusão digital.

O consumidor de energia deve ter a vida facilitada, não limitada. Se pago por um serviço ou produto, a tendência de qualquer empresa é me oferecer a melhor qualidade. Mas esta exigência existe onde há concorrência. Não é o caso da energia elétrica no Paraná. O controle da estatal lhe coloca em um pedestal. Ela mal responde aos pedidos de reportagens por esclarecimento dos seus atos. Neste caso, diz que “não discute valores”.

Em uma reportagem de Victor Simião, sobre pontos de pagamento de contas de luz, onde a Copel procurou supermercados em Iguatemi. A intenção da estatal é criar pontos de pagamentos da fatura de energia. Mas o gerente de um dos mercados recusou a proposta. O valor pago por fatura é baixo, R$ 0,70. O risco por receber a fatura, circular dinheiro e ter que assumir possíveis erros representando a estatal, não compensa. Ele está certo.
Idolatramos as estatais como se fossem um patrimônio de todos. Não são, é um patrimônio do Estado. Nestes momentos, mal gestado. A empresa desrespeita o consumidor. Aí, quando se fala em privatização, todos pensam em corrupção. Lembramos-nos da forma como foi privatizada a telefonia, outros órgãos e bens públicos. Não são bons exemplos. Mas a privatização não é ruim. O que ameaça a sua eficiência são as regras da privatização, os contratos de concessão.

Talvez, se tivéssemos uma gestão de mercado, concorrência, em empresas como a Copel, com contratos transparentes e sérios. Agências reguladoras que funcionassem de verdade. O consumidor não se sentiria tão sequestrado. Estamos nas mãos da decisão monocrática da empresa estatal sem preocupar-se com as condições do cliente. Já foi o tempo em que o consumidor, o usuário, corria atrás da empresa e lhe implorava ser atendido. Isto só ainda existe onde o monopólio estatal está associado a falta regulamentação e de respeito. Como no caso das contas de energia elétrica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…