Pular para o conteúdo principal

Impossível agradar a todos...



Mas há quem tente. Quando se fala de política, a vocação ao populismo e a busca de popularidade é um aspecto do representante público. Temas polêmicos são os que expressam esta busca de conciliar o conflito entre “deus e o diabo”. Impossível.
A Lei que busca regulamentar a abertura dos mercados aos domingos e feriados é uma delas. De um lado há a manifestações contrárias a abertura. Argumentando a defesa dos dias de descanso do trabalhador, a perda de um “dia sagrado” aos cristãos católicos e, até mesmo, a perda de clientes pelos mercados dos bairros, atingidos pela concorrência das grandes redes.

Do outro lado, as oportunidades de trabalho que a abertura dos mercados permite. Foram 439 novos postos de trabalho em um período de crise, desemprego. Fora isso, atende a clientes que não podem ir ao mercado durante a semana. Ao mesmo tempo, garante um custo menor dos produtos nos supermercados do que o mesmo produto fosse comprado em um mercado local.

O projeto pode alterar até mesmo o funcionamento das lojas dos shoppings e panificadoras, como está no texto. O executivo municipal teria o poder de decidir quem funciona ou não. Um excesso de mando desnecessário. Mas popular e autoritário.

Diante da polêmica, os vereadores retiraram o tema de pauta e vão observar as propostas de ementas feitas pelos representantes do setor. Ou seja, as sugestões dos lados inconciliáveis não se conciliam. Mas diante do necessário e do demagógico é sempre uma saída protelar a decisão.
Para ver comentário sobre o tema, clique aqui.
Alguns esclarecimentos importantes sempre ajudam a elucidar. O setor de supermercados é um dos que mais tem rotatividade de funcionários, mesmo sem a abertura aos domingos e feriados. Logo, o trabalhador não costuma fazer carreira no setor. Discutir o seu trabalho aos domingos e feriados é discutir um condição temporária.

Agora, na retórica do populismo, os estabelecimentos familiares nos bairros, estes, podem trabalhar aos domingos, afinal, sendo cristãos católicos e trabalhando arduamente, são empresários. A fé professada vale para o assalariado e não para o micro empresário. O assalariado se explora aos domingos, já o empresário tem uma oportunidade de negócios, segundo os demagogos.
Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
A tecnologia é outro fator a se pensar. Ela cresce, amplia sua influência nos setores supermercadistas. Deve chegar em breve e colocar abaixo a necessidade de um grande número de trabalhadores nas redes de supermercados. Facilitando a vida do consumidor e ampliando os lucros e reduzindo os assalariados. Os que permaneceram terão que se afinar com as condições técnicas. Terão que ser qualificados. E isto, grande parte da força de trabalho no país não é. E, se quiser ser, terá que se esforçar, inclusive aos domingos e feriados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…