Pular para o conteúdo principal

Diesel em alta e rodovias em baixa


As rodovias brasileiras dominam o transporte dos produtos e de pessoas. As rodovias estão em péssimo estado. Com isso, o custo fica elevado por causa da falta de qualidade e o valor da manutenção dos meios de transporte rodoviários. É preciso mudar.
O Brasil em uma dependência perniciosa das rodovias. O que não faz bem a saúde da economia do país. Além de 56% dos produtos serem transportados pelas estradas do país, temos uma malha ferroviária ou hidroviária precária e limitada. No caso da primeira, não foi ampliada significativamente desde os tempos da República Velha (1889 a 1930).

Lembro-me disso porque estamos vivendo a manifestação dos caminhoneiros em todo o país na busca de reduzir o preso do diesel. O combustível está em alta, mas as estradas tem baixa qualidade faz tempo. Coloca em risco quem trafega e prejudica o escoamento da produção e a dinâmica das regiões aonde ela chega, ou não chega.

Construir rodovias encantou o então governador de São Paulo, Washington Luiz, em 1920, quando governador do Estado de São Paulo, quando considerava que povoar dependia das estradas. Ele mesmo construiu rodovias no interior paulista. A modernidade estava sobre rodas, mas não só nos trilhos. Contudo, entre isso e a política de Juscelino Kubitschek há uma grande diferença. O então “presidente bossa-nova” implantou uma imensa rede de rodovias e abandonou o modal ferroviário, até então o mais importante do país.
Para ver e ouvir comentário sobre o tema, clique aqui;
Hoje, dependemos das rodovias em péssimo estado de conservação. Elas cortam o país, mas em alguns lugares são intransitáveis. A grande maioria não tem pavimentação, 83%, 64% em condições regulares ou ruins, os dados são da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Pistas simples predomina na maioria das estradas pavimentadas.

Logo, estamos diante de um problema pontual, o preço dos combustíveis. Algo que soma em um conjunto de fatores que são determinantes para uma estrutura de transporte deficitária. O custo do combustível é mais um fator que faz do transporte rodoviário algo a ser repensado e resolvido com ações em longo prazo. Quantos caminhões uma composição ferroviária poderia substituir? Muitos. Menos riscos. A dependência das rodovias e dos caminhões nos sequestra e coloca em risco a própria condição de trabalho do caminhoneiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…