Pular para o conteúdo principal

Tributação injusta


Os tributos no Brasil são elevados? Bom, a resposta é para quem. O país construiu uma diversidade de impostos, mas em sua maioria injustos. Os volumes dos impostos não chegam a ser um problema, mas sobre quem recai é a questão.
Vamos levar em consideração os 35 países que compõe a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em sua maioria, países desenvolvidos. A média de tributação em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), nestes países, é de 36%. O Brasil tem uma média de 34%.
Se compararmos o Brasil com os demais países da América Latina e, mesmo, com os Estados Unidos, a carga é mais pesada. A média do continente é de 22%. Na terra do “Tio Sam” é de 28%. Porém, os argentinos têm uma carga tributária de 32%. Os portenhos são uma boa medida.

Porém, qual é o problema da tributação? O principal dele é a forma da distribuição do fisco. Ele recai sobre produtos e serviços e pesa de forma diferenciada em quem tem renda diferente. No final, os mais pobres pagam mais impostos do que os mais ricos. Pesa mais no bolso da população de baixa renda a tributação sobre o mercado.
Para ver e ouvir comentário sobre tema, clique aqui.
Na compra de alimentos básicos, celulares a automóveis, a tributação recai no mesmo percentual para quem ganha 1 a 20 salários mínimos. Para quem ganha R$ 1 mil e ganha R$ 10 mil, a compra de um mesmo produto tem peso diferenciado no sentido inverso. O percentual do imposto sobre a renda é maior para quem ganha menos.

Outro dilema do país é a corrupção. Ela consome, segundo dados do procurador federal Paulo Roberto Falcão, R$ 200 bilhões por ano. O valor é igual a sete vezes o custo do programa Bolsa Família e a soma, com sobra, dos gastos da saúde, R$ 100 bilhões, e da educação, R$ R$ 62 bilhões.
Logo, a conclusão é simples, há uma casta política que reduz a possibilidade de crescimento econômico e a melhora da qualidade de vida através da lógica do mercado. A oferta de produtos por um menor custo e uma tributação proporcional a renda. Não por acaso, o país vai na contramão da tributação mundial. Por isso, a tributação brasileira é regressiva.

Lembrando que a maioria da tributação acaba por ficar nas mãos do Governo Federal e não com estados e, principalmente, municípios. Hoje, 58% do que é arrecadado fica com a União. Os municípios ficam com 18%. Logo as cidades onde a população precisa de ação rápida para resolver problemas, o poder de investimento é menor. A desigualdade é mais fácil de ser gerida nas cidades. 
Mas, a União retém os recursos.

Por isso, temos que defender uma reforma tributária urgente. Justa. Que pode ter até o mesmo peso, mas recaia na proporção do que se pode sustentar. Valorize quem trabalha e necessite de consumir no mercado a sobrevivência. Gere remuneração para os empresários produtivos e não para quem vive do parasitismo público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…