Pular para o conteúdo principal

Diesel, para quem?


Medidas tomadas pelo poder público com foco na melhora da estrutura acabam por denunciar a desigualdade entre benefícios e beneficiados. Em plena Ditadura Militar (1964 a 1985) esta lógica foi uma constante. A política energética é um exemplo. Na busca de alternativa para os combustíveis derivados do petróleo não se resolveu a logística e nem a mobilidade.
O diesel no Brasil atende ao transporte, afinal é o principal combustível dos veículos rodoviários e ferroviários. São nos caminhões que se transporta mais de 60% da riqueza nacional. Mas é também o combustível dos mais ricos. Daqueles que podem comprar um veículo, considerado “utilitário”, caminhonetes de luxo, para poderem usar no dia a dia.

Na década de 1976, logo após a decadência do chamado “Milagre Econômico”, momento em que o Produto Interno Bruto do País (PIB) cresceu significativamente, acima dos 7%, se estabeleceu uma crise mundial do petróleo. 

Um ambiente de incertezas que colocava em “xeque” os investimentos no desenvolvimento estrutural do país. Então, diante disso, a Ditadura Militar (1964 a 1985) lançou mão de medidas para reduzir o consumo de derivados de petróleo e gerou programas alternativos para a produção de energia.
O Proálcool foi lançado em 1975. Um programa com incentivos do governo para a cadeia produtiva do etanol, assim como, para as montadoras que produzissem veículos movidos com o combustível de origem vegetal. A medida deu certo, inicialmente. O país chegou ao final da década de 1980 com 60% dos veículos movidos a etanol.

Em 1976, para forçar o uso do etanol nos veículos, o Governo Proibiu a comercialização de veículos a diesel. Assim, o combustível ficaria restrito aos meios de transporte. O Governo Federal subsidia o custo do diesel. Sua produção tem um custo mais elevado que a gasolina.

No dia a dia, ao final da história, se propagaram os carros flex (gasolina e etanol) e o diesel continua restrito. Com a atual medida do Governo Federal, diante da greve dos caminhoneiros, de reduzir o preço do diesel na bomba de combustível, não só os caminhões foram favorecidos, os que podem ter veículos a diesel, de custo mais elevado, também.

A especulação do preço dos combustíveis continua enorme. Se discute todo o dia a responsabilidade por um valor tão alto pelo derivado de petróleo no país. Um comércio lucrativo, monopolizado pela Petrobrás e controlado por distribuidoras. Fora a política de preço feita por comerciantes do setor em todo o país. Muitas vezes, abusiva.

O país sem uma política de logística de transporte e mobilidade urbana se vê sequestrado pela dependência do caminhão e do automóvel, ou motocicletas. Meios de transporte arriscados em rodovias de péssima qualidade e cidades congestionadas. O número de acidentes, muitos com vítimas fatais, é uma demonstração do custo social da falta histórica de uma política coerente para o setor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…