Pular para o conteúdo principal

Populismo no "Ar": distorcendo as rádios comunitárias


A comunicação sempre desempenhou um papel importante em qualquer sociedade humana. No Brasil não é diferente. Mas os meios de comunicação em nossa história acabam por servir para fins bons e ruins. As rádios comunitárias já foram “piratas”. Legalizadas com a retórica de atender as comunidades, prestar um serviço a população de um bairro, por exemplo, agora pode atender a interesse de lucratividade e manipulação. A velha retórica populista e na busca de atender a espoliação ilícita.
Rádios comunitárias foram criadas no Brasil na década de 1970, principalmente. Foram resultado de ação de comunidades na busca de ter um meio de comunicação que não fosse as empresas, emissoras, comerciais. No romântico discurso que levou ao reconhecimento destas rádios, conhecidas como rádios “piratas”, durante sua ilegalidade, foi a necessidade das comunidades terem um meio independente de informação. Muitas delas atuaram durante o regime militar. Mas muitas acabaram sendo meio de imposição do poder paralelo, de divulgação de ações criminosas e clandestinas.

Em 1998, as rádios comunitárias foram reconhecidas e legalizadas. Porém, para fins determinados. Elas devem servir de meio de comunicação de curto alcance e ser elemento de divulgação cultural párea a coletividade onde atua. Podem ter apoio cultural, segundo a legislação atual, mas não podem vender comerciais e ter fins lucrativos. Estas rádios devem ser administradas por associações ligadas a comunidade onde a emissora atua.
Para ver e ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
As rádios comunitárias geram polêmicas, já que muitos se utilizam de brechas na lei para transformar o benefício a em meio de exploração econômica e social. Praticar crimes contra o erário público e a sociedade. Hoje, no Brasil, existem mais de seis mil emissoras comunitárias. Elas não pagam a tributação e nem encargos que as emissoras comerciais pagam.
Já as rádios comerciais tem um longo processo para sem abertas, atuarem. Pagam uma imensa carga tributária, encargos trabalhistas e sofrem com a crise econômica que o país vive. Principalmente as pequenas emissoras. Fora isso, tem uma responsabilidade sobre o que comunicam, pagando direitos autorais por exemplo. Também podem respondem pelo conteúdo que divulgam.

Agora, um Projeto de Lei do Senado (PLS) 55/2016, quer autorizar as rádios comunitárias a venderem comerciais e com isso, muitas delas, terem lucratividade. Se transformarem em concorrentes das empresas de comunicação comercial. Ato injusto e irresponsável. Populista e que distorce a função das rádios comunitárias gerando a possibilidade de uso indevido da comunicação.

Temos que ficar atentos e perceber a quem interessa permitir a vinculação de comerciais nas rádios comunitárias. Há quem deseja organizar rádios para serem braços comerciais de aventureiros com a intenção de usufruir de benefícios sem pagar encargos. Também, em um ano de eleição, distribuir favores para ter aliados. Temos que entender a função social da rádio comunitária e lutar contra sua distorção.

Fora isso, o que se gera de prejuízo a pequenas empresas de comunicação, as quais tem um custo de manutenção e serão as mais atingidas com a permissão de comerciais nas rádios comunitárias. Se desejamos proteger os pequenos empreendimentos, lhes dar condições de funcionamento e melhoria, permitir comerciais nas rádios comunitárias não ajuda em nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…