Pular para o conteúdo principal

Corrupção: gasto ou investimento?



Corrupção, gasto ou investimento? Para responder esta pergunta é necessário outro: de quem estamos falando? O Brasil, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) tem na corrupção um ato que custa R$ 200 bilhões por ano. Para a maioria dos brasileiros é dinheiro jogado fora. Mas, outros, poucos, é o sentido do poder público.

Porém, a corrupção está associada a atos ilícitos. Tomar para si o que não lhe pertence. As formas como estas práticas ocorrem tem as mais diversas definições. Uma das tradicionais é o patrimonialismo. Fazer do bem público uma extensão do patrimônio privado. Usar do Estado como se fosse um bem privado. Muitos representantes públicos se ambientam com facilidade ao uso do patrimônio público como seu.

Outra prática que leva ao abuso, mas nem sempre uma prática ilícita, é a possibilidade de acesso a um montante dos recursos. Um levantamento do Observatório Social mostra que a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) tem um custo em deputados e seus gabinetes, de R$ 102 milhões por ano. A organização não governamental (ONG) levou dois anos pesquisando os gastos dos deputados paranaenses. Sofrendo para obter os dados, mesmo tendo acesso a um “portal da transparência” que pouco tem de transparente.

A quantia de recursos disponíveis para parlamentares é concedida por eles mesmos. Legislam em causa própria. Podem aumentar ou diminuir seus ganhos, seus benefícios. A grande questão é, por que não mudam? A resposta está no sentido de ser deputado, naquilo que dá sentido a candidatura. Se não existissem os benefícios não existiria o desejo dos beneficiados. Ser homem público permite “se fazer na política”. Por isso, a profissionalização do poder.
Para ver e ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
Para muitas empresas e corporações de grande porte a relação com o Estado passa em compactuar com a corrupção e excessos dos gastos públicos. Superfaturar e conceder benefícios em recursos e leis dá sentido do porque investir no país. Também, afasta quem busca uma relação honesta e eficiente. A malandragem é prática que atraem interessados e molda o perfil de quem se habilita a exercê-la. Na vida pública como nas demais profissões não é diferente, eficiência se dá pelo exercício prático da função.

Por isso, temos que ter interesse em entender os orçamentos dos órgãos públicos. Cobrar dos representantes a transparência de seus atos e cobrar facilidade e acessibilidade aos sites onde as informações são divulgadas. Aquilo que tanto queremos dos nossos representantes, respeito, deve ser consequência dos atos de responsabilidade de exercermos o nosso papel de cidadãos. Afinal, nossos representantes espelham os critérios de nossas escolhas. Assim como tudo na vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…