Pular para o conteúdo principal

Futuro: verdade ou ficção



Envelhecer é destino. Não é um mal. Mas soa para muitos como a decadência da vida. Poupar, se preparar para o futuro, tem uma relação direta com o sentido que a terceira idade tem. O futuro nos fará pessoas mais velhas, com desejos intensos de particularidade, individualidade, movidos pela intensidade da “solidão”.
Um levantamento feio sobre o futuro financeiro dos brasileiros, a pesquisa “O Preparo para a Aposentadoria no Brasil”, mostra que 78% da população não se preparam para o futuro. E que 47% alegam que não sobra dinheiro, enquanto 19% afirmam que problemas financeiros acabaram com o objetivo de poupar, o desemprego atinge 22% dos que tinham planos de economia.

A população brasileira está envelhecendo. Em 1960 apenas 3 milhões de brasileiros eram idosos, tinham mais de 65 anos. Em 2010 eles já eram 20 milhões e em 2035 eles devem ultrapassar os 40 milhões. Este é um contexto do qual os brasileiros não estão preparados para isso. Também não cultuamos o futuro para estabelecermos uma relação lógica e racional, ele parece mais ficção. Aqui, talvez, esteja uma contradição. O discurso da juventude eterna para uma população que será, em sua maioria, da terceira idade.
Para ver e ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
Se algo é real, a maioria de nós, daqui 35 anos, terá mais de 50 anos. Nossos interlocutores cotidianos, visualmente, estarão diante de interesses pessoais que não envolvem herdeiros, gerações futuras, as crianças. Estaremos pensando em uma vida que irá se encerrar no dia em que a morte virá. 

O futuro, caracterizado pelos jovens, será uma ficção.
Mas como chegar aos sessenta sem depender de alguém ou do Estado. Seria infantil acreditar que ainda seremos mantidos por filhos e netos. A grande maioria dos idosos daqui 25 anos estará só. Cumprindo o destino traçado de uma vida feita para suas necessidades. O mercado estará pleno de produtos e serviços para os sessentões solitários que ainda gostam de sua individualidade inspirada na “eterna juventude”.

Se queremos levar o futuro a sério, temos que entender a maioria rentável e mais velha. Solitária, sem jovens em torno, ou família longitudinal. O futuro não é uma ficção e ele terá uma população mais velha e disposta a consumir. Porém, com uma sensação de juventude mesmo envelhecendo. Quem está preparado para isso?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…