Pular para o conteúdo principal

Informação na Prateleira



Como ter acesso a uma informação séria, a verdade? Nas redes sociais, assim como nas prateleiras de mercado, há uma diferença entre o que é oferecido e o que se deve levar a sério. Por isso, nem sempre a primeira informação que aparece merece consideração.

Vivemos o mundo do agora. Não queremos perder tempo com nada que seja trabalhoso, demorado para ser degustado. Nada que cause dissabor nos encanta. Mas a curiosidade no instiga. Vamos sempre à procura do que provoca sensações e se apresenta como uma curiosidade. Neste ambiente e perfil as falsas informações se apresentam atraentes em boas embalagens.

O texto impactante e sua forma de desdobrar com as palavras um passeio excitante vale mais do que a profundidade do que estamos vivendo, lendo, vendo, mergulhando em informações. Não por acaso, mesmo os meios de comunicação, estão preocupados com a estética mais que a essência. Com as pessoas não é diferente. O feio de se ver é associado ao desprezo de conviver.

Agora estamos a volta com as informações “fake”. Estamos dispostos a combater o que é falso. Isto é importante. Uma procura da comprovação das informações que se apresenta necessária. Mas vale entender o ambiente do mercado da notícia e o que busca o ser humano que navega nos meios de comunicação, na vida. Será que a verdade nos agrada? O lugar onde vamos encontrá-la prima pela honestidade ou também tem seus vícios na hora de apresentar a informação.

A forma como apresentamos as informações pode mudar o sentido e o valor do que é informado. Oferecer a notícia séria não implica que a colocamos em um lugar que seja vista como relevante, que deva ser levada a sério.
Para ver e ouvir comentário sobre o tema, clique aqui.
Quando vamos às redes de supermercados que elaboram de forma pensada os produtos nas prateleiras, sempre nos deparamos com os produtos que ficam a altura de nossos olhos ou a mão. Aqueles que se mostram sem muito esforço. Se quisermos ver algo diferente, um produto variado, tentar ver outra possibilidade de consumo, temos que vasculhar. Pode estar lá, mas encontrar é outra história. Com a informação não é diferente.

As manchetes, as notícias consideradas pelo publicador como mais relevantes, saltam aos nossos olhos. Elas podem ser verdadeiras, mas fazem parte de um mosaico de notícias que influenciam nosso olhar. A forma como estão dispostas fazem uma sequência de prioridades que podem influenciar nossa forma de compreender os fatos e a importância que cada um tem em nosso sentido, percepção. A uma ordem diante de nossos olhos quando percorremos a informação.

Temos que ficar atentos. Saber procurar a notícia. Ter como comparar informações. Dedicar mais tempo ao conteúdo que consideramos relevante. Desenvolvermos um critério mais apurado para selecionar conteúdos e colocá-los em uma lógica coerente. Evitar personificações. Logo, o acesso a informações que traga a verdade é fundamental, mas nossa formação básica é crucial. A postura diante do mundo e do que desejamos de forma coerente ajuda a ler, ver e ouvir notícias. Principalmente dar a elas o sentido necessário e a importância que merece.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paraná não é Maringá

Alimento pela cidade que eu nasci um imenso carinho. Maringá é uma cidade que se fez e se faz. Há realmente um espírito associativo. Ele é ligado ao meio privado, empresarial. Isto é fato. Mas tem um estímulo de organização e representação eficiente. O que faz de Maringá uma cidade diferente. E ela é. Em diversos índices a cidade está entre as melhores do país. Potencial de consumo, o qual é retratado pelo Anuário a Grande Região de Maringá, divulgado a cada dois anos pelo Grupo Maringá de Comunicação. Ele comprova isso. Os dados são levantados pelo IPC Maps. Lembrando que o Produto Interno Bruto da cidade cresce mesmo quando o país não.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, o Codem, tem investido no planejamento em longo prazo. Agora, o Masterplan aponta para um crescimento até 2047, quando a cidade irá fazer 100 anos. Até agora, o planejamento teve um investimento de R$ 1,5 milhão. E vale a pena. Há muito mais por vir. E ele não tem custo para o poder municipal. O qua…

STF pode fazer justiça e ser inconstitucional

Não se pode ser ingênuo. O país vive uma legislação apartada da população. Para quem a lei vale? Não para todos. E se vale, as brechas na lei somente para alguns. A defesa dos réus permite a liberdade de quem pode recorrer. O julgamento do ex-presidente Lula não é um caso isolado, tem que ser entendido na histórica desigualdade de tratamento pelo poder em relação ao cidadão. A Constituição Federal, humana, permite desumanidades. No país teve inúmeras manifestações contra o ex-presidente Lula, na defesa da prisão em segunda instância e em defesa da Lava-Jato. O país clama por justiça. Mas o que é justo? Quando se pensa na corrupção dos homens públicos e os que deveriam ser presos a injustiça é maior. Para ouvir comentário sobre o tema, clique aqui. O dinheiro desviado por corrupção tira dos cofres públicos recursos vitais para salvar da miséria e da marginalidade muitos. Destes, os que acabam se transformando em bandidos e são presos sem dinheiro para recorrer a todas as instâncias. Q…

Conservadorismo não é nazismo

Vivo em defesa do bom liberalismo e dos bons conservadores. Me incomoda profundamente um país que confunde conservadores com extremismo e neonazismo. Esta defesa do extermínio, da perda de liberdade, da violência que combate a violência. Nada disso tem relação com a conservação das instituições, das leis e da liberdade. Há uma confusão entre a preservação das instituições e o radicalismo que prega o extermínio da oposição ou de tudo o que se opõe. Na limitação de compreender a dinâmica do poder e que fundamenta nossas mazelas, há os radicais que consideram a destruição a melhor saída. Não é! A ousadia é mudar dentro do que se tem de mais precioso, a democracia.
Incrível perceber que radicais desejam o retorno da ditadura. Ao mesmo tempo há os que defendam a eliminação dos políticos de esquerda e, outros, até da própria esquerda. A implantação de um governo autoritário é típica da pobreza submissa do latino-americano. Faz parte das raízes de um continente governado por caudilhos, noss…